fbpx

Economia e consumo devem continuar crescendo nos Estados Unidos

De acordo com a Federação Nacional de Varejo dos Estados Unidos (NRF), a economia está posicionada para um crescimento constante este ano. O órgão acredita que, apesar da incerteza econômica e política que alimentou 2019, os consumidores gastaram e planejam continuar fazendo isso.

Enquanto a economia desacelerou para um ritmo de crescimento esperado de 2% no último trimestre do ano, a economia dos EUA continuou a estabelecer um recorde de meses consecutivos de crescimento.

Com base nesse resultado, Jack Kleinhenz, economista-chefe da NRF, está otimista de que a Federação atingirá suas previsões econômicas para o ano. Kleinhenz compartilhou suas prognóstico durante a sessão “Expectativas e perspectivas sobre a economia dos EUA” voltada para a imprensa e analistas, durante o NRF Retail’s Big Show.

Durante a sessão, Kleinhenz previu que o crescimento real do Produto Interno Bruto (PIB) diminuiria de 2,9% em 2018 para uma faixa de 2,5% em 2019. Ele também espera que o crescimento do consumo pessoal desacelerasse de 3% para 2,5%. (Essas estatísticas serão confirmadas quando a primeira estimativa do PIB do quarto trimestre e dos gastos com consumo pessoal estiverem disponíveis no final de janeiro.)

Além disso, a NRF previu em fevereiro passado que as vendas no varejo – excluindo concessionárias de automóveis, postos de gasolina e restaurantes – aumentariam entre 3,8% e 4,4% em 2019. As vendas no varejo aumentaram em média 3,5% nos primeiros 11 meses do ano.

“Acho que 2020 será um pouco mais equilibrado e menos incerto”, disse Kleinhenz na conferência. “Não vejo nenhum sinal de desaceleração. O consumidor continua a ser o impulsionador da economia e tem a capacidade e a vontade de gastar.”

Para incentivar os consumidores a gastar, os varejistas se concentrarão em formas para inovar, impulsionar a eficiência e atender melhor seus clientes. Isso exigirá que os varejistas considerem investir mais em automação e utilizem-na para levar as mercadorias às mãos dos consumidores mais rapidamente.

No entanto, esses investimentos não se traduzem imediatamente em ganhos aprimorados, de acordo com Steven Blitz, diretor administrativo e economista-chefe nos Estados Unidos da TS Lombard.

“Todas as inovações que você vê aqui não se traduzem em uma explosão de ganhos porque estão competindo com o preço final de um produto”, disse ele na sessão. “Se os preços de varejo se estabilizarem ou começarem a subir, os ganhos das empresas de varejo dispararão”.

Com informações do site CSA
* Imagem divulgação NRF

Redação

Redação

Leia diariamente as notícias mais impactantes sobre varejo, consumo, franquias, shopping center e foodservice, entre outros temas, no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: