fbpx

Mercado & Consumo em Alerta destaca cinco lições sobre a China

Em um de seus artigos, Marcos Gouvêa de Souza, diretor-geral do Grupo GS& Gouvêa de Souza, citou que “o que acontece no varejo da China, não fica na China”. E isso é fato. O país se tornou a maior economia do mundo no critério PPP ou, do inglês, Paridade de Poder de Compra e está previsto que se torne a maior economia do mundo antes de 2030, sob qualquer critério.

Durante a live de hoje, promovida pela Mercado & Consumo em parceria com a Gouvêa de Souza, os especialistas no assunto, Claudia Trevisan, pesquisadora de Política Internacional na Johns Hopkins University; In Hsieh, cofundador da Chinnovation e Kevin Peng, secretário-geral da China Chain Store & Franchise Association compartilharam suas visões e insights sobre o país. Veja a seguir:

– Segmentos menos digitalizados sofreram mais na China mostrando a importância da curva de aprendizagem já que a transformação de cultura requer amadurecimento;

– Importante as empresas considerarem estágios para a retomada – com estratégias em etapas diferentes onde em um primeiro momento o maior desafio é atrair clientes que podem estar mais arredios. Os setores não voltam na mesma velocidade. Para cada um há diferentes estratégias. No início, as medidas são mais restritivas para convivência e quantidades de pessoas, o que faz com que a inovação seja um requerimento da retomada;

– O principal foco entre a disputa por supremacia EUA/China é tecnológico e espelhado na implantação do 5G e, particularmente, nas restrições à empresa Huawei, porém os Estados Unidos têm o domínio da comercialização de chips na China, com 50% do mercado, o que acirra o confronto e pode asfixiar a empresa. Segundo ela, o Brasil é palco da disputa na questão 5G e em especial para restrição de equipamento da Huawei. Como a competição é restrita (Nokia e Erikson) se a Huawei não atuar no Brasil, o contexto pode não ser vantajoso para consumidores e operadoras;

– Um dos grandes aprendizados para o Brasil são os ecossistemas de tecnologia que têm um núcleo original (ex. marketplaces ) que  transformam-se em  conexões de negócios em grandes grupos (ex. Alibaba, Tencent). Ao fazer login, o cliente é identificado e o patrimônio comum entre as empresas são os dados dos clientes. Estas empresas compartilharam soluções (ex. equipes compartilhadas dentro do ecossistema) permitindo velocidade e facilidade de execução;

– Em termos de tendências observa-se na China algumas mudanças. Evolução de um modelo de “atacarejo” – compras de alimentos em grupos por meios do Wechat, mudança de atitude em relação a alimentação com crescimento de produtos saudáveis e categorias que expressam novos estilos de vida, com queda de vestuário, aumento de produtos para casa onde as pessoas passam mais tempo. A adesão ao online tende a perdurar e aumentar. Aquisições serão acirradas e shoppings tendem a se transformar com mais intensidade. Alguns hábitos da quarentena perduram na saída.

Reveja a live:

* Imagem reprodução

 

Redação

Redação

Leia diariamente as notícias mais impactantes sobre varejo, consumo, franquias, shopping center e foodservice, entre outros temas, no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: