fbpx

Marcas de sorvete e chocolate premium investem em embalagens e e-commerce

Apostando no aumento do consumo por indulgência – baseado na ideia do “eu mereço” – em época de pandemia, marcas de alimentos premium estão investindo cada vez mais nas compras feitas pela internet e na entrega de produtos em embalagens diferenciadas para encantar os clientes.

As vendas dos sorvetes premium Häagen-Dazs vêm crescendo desde março, segundo Priscila Pizano, diretora de marketing da General Mills (multinacional norte-americana proprietária, também, da Yoki). “A marca sempre teve essa característica da indulgência e, como as pessoas passaram a gastar menos com alimentação fora do lar, elas ‘se permitiram’ consumir mais esses produtos”, afirma.

A marca, que lançou recentemente uma linha de picolés para venda nos supermercadso, sempre teve mais força nos sorvetes de pote, o que também pesou a favor numa época em que as pessoas estão se alimentando principalmente dentro de casa.

O e-commerce, antes totalmente restrito às redes varejistas que comercializavam a marca e tinham canal digital, foi ampliado com a entrada da Häagen-Dazs em super aplicativos como Rappi e iFood. “Ainda fazemos a entrega por meio dos nossos parceiros, mas a comunicação da marca com o cliente mudou”, explica. Nesse sentido, o trabalho nas redes sociais também foi intensificado, por meio de parcerias com influenciadores digitais e oferta de conteúdo sobre gastronomia.

Outra marca que se diferenciou para chegar na casa do cliente foi a Chocolat du Jour, de chocolates premium. Obrigada a fechar as lojas semanas antes da Páscoa, a data mais importante do ano para a empresa, provocou um susto inicial, mas, depois, deu vazão a novas ideias. “Já tínhamos um e-commerce bastante funcional e trabalhamos muito para ampliar a nossa força de atendimento pelo telefone e Whatsapp”, afirma Manoel Landmann, diretor da Chocolat du Jour.

A empresa também criou a Chocobag, uma embalagem com mensagens que transmitem alegria e esperança aos clientes. Segundo a empresa, nos meses seguintes à Páscoa, as vendas online ou por telefone surpreenderam. “Mesmo antes da abertura das lojas, nossas vendas já eram maiores do que no mesmo período de 2019”, diz o executivo.

Para Priscila Pizano, da Häagen-Dazs, as vendas devem permanecer em alta nos próximos meses. “O consumidor ainda não sabe como será a vida dele, mas a valorização do lar é algo que as pessoas querem incorporar às suas vidas”, acredita.

A sócia-fundadora da consultoria Gouvêa Foodservice, Cristina Souza, concorda que o consumo por indulgência tem sido uma das características dos últimos meses de pandemia. Ela destaca que marcas como a própria Häagen-Dazs e a Bacio di Latte se fortaceleram ao investir em embalagens capazes de manter a temperatura dos sorvetes por mais tempo.

O fato de serem marcas premium também ajuda. “Quando se pensa nas pessoas de maior poder aquisitivo, o fato de elas estarem em casa e deixarem de gastar com almoços ou jantares em bares e restaurantes, que são mais caros, faz com que elas tenham mais recursos para produtos como bons vinhos e chocolates”, exemplifica.

Para ela, no entanto, é difícil dizer, neste momento, se esse comportamento é sustentável no longo prazo. “Todos os consumidores estão passando por muitas mudanças de comportamento em pequenos espaços de tempo. Algumas, por exemplo, já estão mais preocupadas com o corpo e o bem-estar.”

Imagem: Divulgação

Redação

Redação

Leia diariamente as notícias mais impactantes sobre varejo, consumo, franquias, shopping center e foodservice, entre outros temas, no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: