Aryzta escolhe Brasil para instalar 1ª fábrica com congelamento contínuo de pães

A indústria de pães Aryzta, de origem suíça, escolheu o Brasil para instalar a primeira fábrica do mundo com congelamento contínuo de pães. A unidade, que será inaugurada no segundo semestre de 2021, ficará em Pouso Alegre, Minas Gerais. Será a quinta e maior planta da Aryzta no País – as demais ficam em Osasco, São Paulo, Jaguariúna e Juiz de Fora.

A empresa é responsável pela fabricação do pão australiano da rede Outback e das tortas do McDonald’s, entre outros produtos. É fornecedora, também, de redes como Burger King e Subway. Na nova fábrica, o pão será produzido de forma completamente automatizada, começando pela mistura dos ingredientes e passando pelo batimento, formatação, fermentação, assamento, resfriamento, embalagem e congelamento.

“É uma tecnologia nova, que não existe no mundo de panificação. Entre os benefícios, estão o fato de o produto não passar pelo toque humano ao longo da linha. Assim, o processo é melhor do ponto de vista da segurança do alimento”, explica Renata Del Claro, head de Marketing e Inovação da Aryzta. A nova fábrica vai gerar mais de 200 empregos diretos e outros 1.000 indiretos.

As técnicas de ultracongelamento usadas pela Aryzta permitem que o mesmo produto que uma rede serve em São Paulo, por exemplo, seja levado a outra capital brasileira distante, como Manaus, no Amazonas, com o mesmo sabor, textura e propriedades nutricionais. Isso porque os pães recém assados, resfriados e embalados são submetidos a uma temperatura negativa de -30ºC e atingem o congelamento total em poucas horas.

A empresa tem como clientes não só as grandes cadeias de fast-food, mas também operadores do foodservice de pequeno porte. A aposta no Brasil mesmo em meio à pandemia de Covid-19, que afetou fortemente os bares e restaurantes, tem como uma das razões a rapidez com que o setor tem se reinventado.

“Os estabelecimentos independentes tiveram muita dificuldade de se manterem abertos. Mas o mercado está se reinventando de uma maneira muito rápida, com uma digitalização muito grande. Muitos passaram a oferecer o delivery da noite para o dia. Acreditamos que, mesmo nesse momento de consumo no lar de refeições prontas, o foodservice tem sido impulsionado e o crescimento será retomado”, afirma Renata Del Claro.

Imagem: Divulgação

Sair da versão mobile