fbpx

Amazon cede à pressão francesa para reduzir as vendas da Black Friday

A gigante do varejo americana Amazon viu as vendas dispararem globalmente depois que as restrições para evitar a disseminação do coronavírus colocaram os consumidores online, tornando difícil para algumas lojas físicas competir com o e-commerce.

Para nivelar o campo de jogo, o ministro das Finanças, Bruno Le Maire, pediu na última semana aos supermercados e varejistas online que adiem a Black Friday, que vai de 27 a 29 de novembro, uma vez que as lojas que vendem produtos não essenciais terão de permanecer fechadas durante o bloqueio.

Anos atrás, foi justamente a concorrência da Amazon, segundo reportagem da Reuters, que levou os varejistas europeus a adotarem a tradição americana de fazer da Black Friday – o dia após o Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos – o pontapé inicial para a temporada de compras natalinas.

O presidente-executivo da Amazon France, Frederic Duval, disse que a empresa adiaria o evento para 4 de dezembro, juntando-se a outros varejistas, como o líder de mercado europeu Carrefour e a francesa Leclerc. “Decidimos adiar a data da Black Friday se isso puder ajudar os lojistas a reabrir antes de 1º de dezembro”, disse.

Adiamento em uma semana

Varejistas online e tradicionais concordaram unanimemente em adiar as vendas da Black Friday em uma semana, sob a condição de que as lojas possam reabrir até lá, disse o Ministério das Finanças após uma reunião com representantes do setor.

Ao mesmo tempo que ajuda a gerar lucros recordes, a crise do coronavírus também desencadeou o escrutínio dos esforços da Amazon para proteger a equipe contra a pandemia, especialmente na França, onde uma longa batalha por medidas de segurança levou ao fechamento temporário de armazéns.

A capacidade da gigante do e-commerce de continuar vendendo durante o bloqueio também aumentou a frustração entre os oponentes da empresa na França, que dizem que ela representa uma cultura de consumo ao estilo dos EUA e em desacordo com a longa tradição do país de lojas familiares de bairro.

Cerca de 30 mil pessoas assinaram uma petição online para boicotar a Amazon, de acordo com seu organizador, o legislador Mathieu Orphelin, que deixou o partido do presidente Emmanuel Macron no ano passado para criar um partido mais voltado para o meio ambiente.

“Muitas pessoas usam nosso nome para serem notados, mas a Amazon representa apenas 1% do varejo na França”, disse Duval, quando questionado na Rádio France Info sobre como explicar o sentimento negativo contra sua empresa.

Lojas, bares e restaurantes fechados

O presidente Emmanuel Macron disse que o segundo bloqueio nacional da França, que começou em 30 de outubro, duraria pelo menos quatro semanas. As restrições incluem o fechamento de lojas, restaurantes e bares não essenciais.

Mas, com dados recentes mostrando que a França está no caminho certo para conter o aumento das infecções por coronavírus, o governo está sob pressão das empresas para reduzir as restrições no final de novembro, a tempo para a temporada de compras de Natal, quando muitos varejistas fazem a maior parte de seus volumes de negócios anuais.

Ansioso para evitar que os compradores lotem as lojas para aproveitar os descontos potenciais, o Ministério das Finanças disse, na semana passada, que um atraso de uma semana nas vendas da Black Friday ajudaria a garantir a reabertura das lojas na França em condições de segurança máxima.

Imagem: Reprodução

Redação

Redação

Leia diariamente as notícias mais impactantes sobre varejo, consumo, franquias, shopping center e foodservice, entre outros temas, no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: