Amazon tem altas de 224% no lucro líquido e de 44% nas vendas no 1º tri

Resultado superou a previsão de lucro de US$ 9,54 por ação

Amazon tem altas de 224% no lucro líquido e de 44% nas vendas no 1º tri

A Amazon registrou lucro líquido de US$ 8,1 bilhões no primeiro trimestre de 2021, ou US$ 15,79 por ação diluída, uma alta de 224% na comparação com igual período do ano passado. O resultado superou a previsão de lucro de US$ 9,54 por ação dos analistas consultados pela FactSet.

As vendas da companhia deram um salto de 44% entre janeiro e março deste ano, em relação ao primeiro trimestre de 2020, a US$ 108,5 bilhões. Excluindo-se o total de US$ 2,1 bilhões de impacto favorável do câmbio, as vendas líquidas tiveram crescimento de 41% na comparação anual.

“Dois de nossos filhos estão agora com 10 e 15 anos – e depois de anos sendo alimentados, eles estão crescendo rápido e estão se recuperando”, afirmou o fundador e CEO da Amazon, Jeff Bezos, em referência ao Prime Video, serviço de vídeo sob demanda, e à Amazon Web Services (AWS), plataforma de computação em nuvem.

Após a divulgação dos resultados, a ação da companhia subia 3,10% no after hours de Nova Yokr, às 17h17 (de Brasília).

Como anunciado em fevereiro, Bezos deve deixar o cargo de CEO da Amazon no terceiro trimestre deste ano e passar à função de diretor executivo. O cargo de CEO será ocupado por Andy Jassy, que hoje lidera a AWS.

Bezos continuará, no entanto, no conselho da empresa. “No papel de presidente-executivo do conselho, eu pretendo focar minhas energias e atenção em novos produtos e iniciativas que estão começando”, escreveu o bilionário em uma carta enviada aos funcionários.

O executivo também pretende dedicar mais tempo a outros negócios de que é dono, como o jornal  “Washington Post” e a empresa aeroespacial Blue Origin, além das entidades filantrópicas Day One Fund e Earth Fund.

A fortuna que Jeff Bezos fez na Amazon, fundada em 1994 como uma livraria online, tornou o empresário uma das pessoas mais ricas do mundo. Neste ano, ele foi ultrapassado no ranking da Bloomberg por Elon Musk, fundador da Tesla.

Com informações Estadão Conteúdo
Imagem: Divulgação

Sair da versão mobile