fbpx

Conexão afetiva: o futuro dos eventos

Estamos em um momento em que, claramente, a comunicação e a conexão estão muito mais facilitadas, com todas as ferramentas e tecnologias atualmente disponíveis. Porém, a verdadeira questão que se coloca para o futuro do mercado de eventos é: como podemos nos conectar não apenas efetivamente, mas também afetivamente com os participantes de um evento?

Conexão afetiva: o futuro dos eventos

Por que motivo se organiza um evento? Em última instância, para passar uma mensagem a um grupo e uni-lo em torno dela. Por exemplo: o objetivo de um negócio, a cultura de uma empresa, o resultado de uma campanha. Mas o que pode ser feito para, além de passarmos a informação, também conduzirmos o participante a verdadeiramente acreditar naquilo que ouve e a comprometer-se com a mensagem? Como tornar o conteúdo relevante do ponto de vista de aprendizado e conhecimento do próprio participante? Como, propriamente, alcançar o verdadeiro propósito e objetivo desse encontro: a conexão?

Precisamos, antes de pensar nas possíveis respostas a isso, analisar o momento que vivemos. Curiosamente, a experiência de separação trazida pela pandemia impactou, por dois lados que podemos considerar opostos, a nossa necessidade de conexão. Por um lado, o óbvio: a distância amplia a demanda pela reconexão e pela presença. Por outro, aquilo que um olhar mais apurado consegue perceber: ainda que intermediados por uma tela, os encontros não foram suprimidos, mas ampliados (em constância) e concentrados (em qualidade).

Explico. Nas reuniões de grupos presenciais, ao redor de grandes mesas, com o movimento da empresa ao fundo, a conexão entre os reunidos costumava ser, em termos afetivos, bastante superficial em alguns casos. Mas a nova rotina de reuniões um a um por meio das plataformas tecnológicas colocou-nos face a face com o outro. Olho no olho. Uma nova vivência que exige plena atenção para que se leia o colega “à sua frente”. Como ele está? E eu, como eu estou sendo vista? Teoricamente protegidos atrás da máquina, estamos na verdade mais expostos do que antes. Tornamo-nos mais do que nunca ligados no visual. Entramos na casa uns dos outros, sentimos sua atmosfera. A atenção não está apenas na mensagem – está no outro. E essa nova vivência, ao ampliar a conexão afetiva, provocou, alimentou essa necessidade da conexão que se dá via afeto. E isso não vai desaparecer. Uma nova necessidade trouxe uma nova ferramenta para uma nova solução  que, por sua vez, fomentou outra necessidade… em um ciclo virtuoso.

Voltemos então à pergunta: como transferir essa conexão afetiva a um evento, presencial, virtual ou híbrido? Há diversas ferramentas para manter a atenção do participante, mas como podemos criar memórias e engajamento com o produto, o serviço, a marca? Como encantar e envolver afetivamente as pessoas, criar interesse e identidade com o evento?

As empresas têm de dedicar tempo a essa organização, e muitas delas têm tido grande sucesso com ações personalizadas – que vão desde um convite customizado até o compartilhamento de shows exclusivos, passando por participações em ações sociais e de sustentabilidade e chegando até o agradecimento individual pela participação. Neste artigo, algumas ações que podem ajudar a engajar os seus convidados na fase pré-evento – voltaremos em outros textos para olharmos juntos para ações que podem ser testadas durante o evento e depois dele. Em todos os casos, o foco está no afeto. Na tentativa de abordar cada estratégia não apenas pelo ponto de vista técnico, mas também tocando no campo das emoções e dos estímulos afetivos, sempre em busca da conexão possível.

Conexão via inovação 

Na primeira base de uma tríade formada por Inovação – Interação – Emoção, vamos pensar em como a tecnologia pode trabalhar a nosso favor. Um hotsite e um app são excelentes pontos de partida para nos conectarmos aos participantes desde o “day one”. Para isso, é preciso concentrarmos neles algumas ações, como, por exemplo, o cadastro pré-evento, o RSVP online, notificações pontuais e espaço para chat. Ao engajarmos todos em torno dessas ferramentas, começamos a desenhar o caminho para a interação.

Conexão afetiva: o futuro dos eventos

Conexão via interação 

Não apenas hotsite e app têm o potencial de fomentar a interação entre público, marca e palestrantes. Aqui, o segredo está em ter uma comunicação frequente de modo a se estabelecer um relacionamento próximo. Isso pode se dar por meio de newsletters e mídias sociais, recorrendo a estratégias como sorteio de prêmios para quem participa ativamente e estímulo de uso de hashtags relacionadas ao evento e a seus valores, criando com isso uma comunidade. A ideia é, por um lado, fazer com que as pessoas comecem a se conhecer e, por outro, fazer com que comecem a conhecer o espírito do próprio evento, que pode vir a ser apresentado na forma de, por exemplo, teasers em vídeo. Isso tudo aciona a curiosidade, ligada ao terceiro elemento – a emoção.

Conexão via emoção 

O alicerce do sucesso da conexão afetiva está aqui – no uso das emoções. Esse alicerce se pauta por duas frentes: a primeira, o conhecimento do seu público (que tal uma pesquisa online sobre o que eles esperam do evento?). É preciso aprender mais sobre os participantes e focar em ações para entender – e atender – o perfil dos convidados. O que os motiva? O que os conecta? E o que os conecta à sua marca? A segunda frente: a linguagem. A escolha de palavras, o uso da criatividade, tudo precisa ir além da mera comunicação informativa se a ideia é realmente alcançar o público e dialogar com ele. Algumas abordagens já foram testadas e aprovadas, como, por exemplo, um countdown até a data do evento, criando antecipação e desejo.

Conexão afetiva: o futuro dos eventos

Tem sido um caminho interessante o que estamos trilhando para atender a essa demanda por encontros significativos na Primetour Eventos & Incentivos. Se sua empresa também pensa que esse é o futuro do mercado de eventos, converse com a gente. Acreditamos que nosso papel é criar uma verdadeira conexão afetiva entre o convidado, a persona, a marca, o produto e o serviço.

Valéria Carneiro é diretora executiva da Primetour Viagens e Experiências.
Imagens: iStock/Arte/Mercado&Consumo

Valéria Carneiro

Valéria Carneiro

Diretora executiva da Primetour Viagens & Experiências, possui uma trajetória profissional de mais de 30 anos, sendo mais de 20 deles no mercado de turismo, sempre apaixonada pelo poder das pessoas e da tecnologia em transformar e desenvolver negócios para o sucesso. Ela combina experiência nas áreas de recursos humanos, financeira, estratégia, negociação, implementação de produtos e novos negócios. Tem MBA em Negócios pela Fundação Dom Cabral com especialização internacional pela Kellogg School of Management e em Transformação Digital pelo MIT Sloan School of Management.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: