QuintoAndar levanta US$ 300 milhões e vê valor de mercado saltar a US$ 4 bilhões

Rodada faz da empresa uma das maiores startups de capital fechado do País

QuintoAndar levanta US$ 300 mi e vê valor de mercado saltar a US$ 4 bi

O QuintoAndar, startup especializada em aluguel e venda de imóveis, anuncia um aporte de US$ 300 milhões (quase R$ 1,6 bilhão), o que eleva seu valor de mercado para US$ 4 bilhões (R$ 21 bilhões). Segundo especialistas ouvidos pelo ‘Estadão’, a rodada faz da empresa uma das maiores startups de capital fechado do ecossistema brasileiro – o líder isolado é o Nubank, com US$ 25 bilhões (R$ 132 bilhões).

O investimento foi liderado pelo fundo Ribbit, com participação de SoftBank Latin America Fund, LTS, Maverick, Alta Park, Dragoneer, Qualcomm e Kaszek Ventures. A startup afirma ainda que “uma gestora americana de ativos diversificados com mais de US$ 2 trilhões sob administração” fez parte da rodada de forma anônima.

Com o cheque, além de expandir equipe e continuar investindo em tecnologia na plataforma, o QuintoAndar pretende iniciar as operações no México. “Olhamos para fora do Brasil como uma oportunidade interessante e decidimos começar pelo México, que é o segundo maior país da América Latina e tem dores parecidas com o mercado brasileiro”, explica ao Estadão o cofundador da startup, Gabriel Braga.

O presidente da Associação Brasileira de Startups (ABStartups) e colunista do Estadão, Felipe Matos, aponta que a internacionalização do QuintoAndar é “intrigante” porque ainda há bastante espaço para crescimento no Brasil. “Para internacionalizar, é preciso crescer aqui e lá fora. Eles têm caixa para isso e operações boas, mas pode haver dispersão de esforços de crescimento”, diz.

Para Guilherme Fowler, professor de inovação do Insper, esse passo pode sinalizar que o QuintoAndar talvez planeje ficar apenas nas grandes cidades do País, sem adentrar o interior. “Isso significaria que eles não querem atuar em cidades menores, mas que a solução tecnológica deles é adaptável para outros contextos”, afirma.

Rota de colisão

O QuintoAndar atua em um mercado de números superlativos. Além do aporte de US$ 300 milhões e avaliação de US$ 4 bilhões, o mercado de “proptechs” (startups do ramo imobiliário) levantou US$ 526 milhões em seis investimentos no Brasil, até 30 de abril de 2021, segundo a empresa de inovação aberta Distrito. Em comparação, fintechs (do setor financeiro) e retailtechs (do varejo) levantaram, respectivamente, US$ 731 milhões e US$ 507 milhões, com 45 e 22 investimentos no total.

Em abril deste ano, a Loft, que usa um algoritmo para precificar o valor dos imóveis para compra e venda, recebeu o maior investimento do Brasil em 2021: US$ 425 milhões, com avaliação de mercado de US$ 2,9 bilhões.

“O quanto essa quinta rodada do QuintoAndar não é uma reação ao crescimento da Loft?”, questiona Fowler. Para ele, a tendência do mercado aponta para uma concentração dessas duas startups. “Podemos ter um mercado com dois players e uma franja de pequenas empresas que vão estar conectadas a essas plataformas.”

Matos aponta que as duas gigantes devem entrar em rota de colisão muito em breve. Isso porque o QuintoAndar começou, em 2019, no segmento de compra e venda de imóveis, área em que a Loft é especializada. Já a Loft oferece desde março deste ano seguros residenciais, algo que o QuintoAndar já fornecia em sua plataforma. Agora, parece que a oferta de produtos financeiros é o próximo passo para ambas.

É algo que Braga reconhece como relevante. “Serviços financeiros sempre foram um pilar forte do nosso negócio. Eventualmente, podemos fazer algum produto financeiro independente da nossa plataforma”, diz o executivo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo (Guilherme Guerra)
Imagem: Divulgação

Sair da versão mobile