fbpx

“Vacinação é a chave para uma maior recuperação da economia americana”

Economista da NRF aponta que escassez de mão de obra e interrupções no abastecimento tendem a gerar aumento da inflação

A economia americana está crescendo rapidamente, mas seu futuro ainda depende da desaceleração da pandemia do coronavírus, uma vez que os consumidores se preocupam com novas variantes do vírus, afirma o economista-chefe da National Retail Federation (NRF), Jack Kleinhenz. Enquanto isso, a escassez de mão de obra e as interrupções na cadeia de abastecimento estão preparando o terreno para o aumento da inflação.

“Estamos agora no segundo semestre de 2021 e a economia americana aqueceu junto com as temperaturas do verão”, disse Kleinhenz. “O produto interno bruto ultrapassou o pico pré-crise durante o segundo trimestre e espera-se um crescimento vigoroso ao longo do resto do ano. É um ano muito diferente de 2020 e muito melhor. O ímpeto econômico foi ajudado pelas políticas monetárias e fiscais do governo e, mais importante, pelo lançamento das vacinas Covid-19.”

No entanto, o ritmo das vacinações “diminuiu consideravelmente” e os temores da variante delta do Covid-19 – embora ainda não tenham afetado o comportamento do consumidor – estão “provavelmente pesando na confiança”.

"Vacinação é a chave para uma maior recuperação da economia"
Jack Kleinhenz, economista-chefe da National Retail Federation (NRF)

“A vacinação é a chave para uma maior recuperação econômica, reabertura e reconstrução”, diz Kleinhenz. “Com as perspectivas para a economia global continuando a depender da saúde pública, os números das vacinas são extremamente importantes, não apenas para os Estados Unidos, mas para o mundo todo.”

Os comentários de Kleinhenz constam da edição de agosto da Revista Econômica Mensal da NRF, que mostra que apenas 57% da população dos Estados Unidos haviam recebido pelo menos uma dose da vacina contra a Covid-19 até a semana passada. O último relatório do Blue Chip Economic Indicators cita a distribuição desigual de vacinas em meio ao surgimento de novas variantes de vírus como a maior ameaça para a economia. Uma vacinação mais rápida oferece a maior oportunidade de crescimento, aponta o relatório.

Embora o recente aumento das taxas de infecção e a renovação da autorização das máscaras possam ter um impacto no comportamento do consumidor, o terceiro trimestre até agora se assemelha à atividade pré-pandêmica com a reabertura de lojas e o progresso da economia americana, diz Kleinhenz. Os consumidores estão comprando e o aumento de 18% em junho em relação ao ano anterior nas vendas no varejo incluiu aumentos em lojas de departamentos, roupas e eletrônicos, todas com vendas fracas há um ano. As compras de volta às aulas, que devem crescer até 6% de acordo com a pesquisa anual do consumidor da NRF, vão contribuir para as vendas nesses setores. E com um aumento de 16,4% ano a ano nos primeiros seis meses do ano, as vendas gerais no varejo estão em linha com a previsão revisada da NRF de que 2021 deve crescer entre 10,5% e 13,5% em 2020. “Este é o ritmo de expansão mais rápido em décadas, mas vem com dores e sofrimentos”, pontua Kleinhenz.

Apesar do desemprego contínuo, há aproximadamente 7 milhões de trabalhadores a menos na folha de pagamento do que antes da pandemia, e a escassez de mão de obra se combinou com interrupções na cadeia de suprimentos para resultar em preços mais altos. Kleinhenz alerta que as expectativas de inflação “podem se tornar autorrealizáveis” com os trabalhadores exigindo salários mais altos se esperarem que os preços subam, forçando os empregadores a aumentar os preços e criando um ciclo contínuo. Uma pesquisa da Universidade de Michigan no mês passado revelou que os consumidores esperam uma inflação de 4,8% no próximo ano, a maior desde o aumento nos preços do petróleo em 2008, mas o índice do Federal Reserve prevê apenas 2,75%.

Mesmo assim, a inflação deve atingir seu pico nos próximos meses. À medida que a cadeia de suprimentos e os problemas trabalhistas e outros fatores de aumento de preços enfraquecem, é improvável que a inflação persista por mais de um ano, diz Kleinhenz.

Imagem: Divulgação

Redação

Redação

Leia diariamente as notícias mais impactantes sobre varejo, consumo, franquias, shopping center e foodservice, entre outros temas, no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: