fbpx

Black Friday 2021: 3 lições que o varejista pode levar para 2022

Diferentemente do que muitos esperavam, a Black Friday deste ano não marcou a “volta do varejo físico”, ainda que o setor indicasse um reaquecimento neste canal de compra. Por consequência, vimos um e-commerce mais forte que em 2020 – possivelmente potencializado pela aceleração digital provocada pela pandemia -, o que por si só já surpreende, haja vista que, no período da sexta-feira de descontos do ano passado, enfrentávamos um lockdown. Para entender melhor do que estamos falando, basta olhar o crescimento de 115% no consumo via marketplaces em relação ao ano passado, segundo o levantamento feito com a base de clientes omnicanais da Linx.

Por outro lado, a predominância do e-commerce não anula o varejo físico; na verdade, os dois modelos precisam caminhar juntos. E foi o que observamos nesta Black Friday, segundo o mesmo levantamento, com o crescimento de 139% na modalidade “pick up in store”, na qual o cliente faz o pedido online e retira presencialmente na loja. Além disso, durante o dia 26, nós acompanhamos em tempo real a movimentação dos lojistas e já nas primeiras horas foi possível perceber um crescimento de 5% a 6% em relação a 2020. Ou seja, com os varejistas atentos aos modelos de consumo e alinhados aos avanços digitais, o consumidor pôde aproveitar a data da forma como quisesse, no digital, no físico, ou em ambos. Dito isso, quais foram, então, as três grandes lições desta Black Friday?

1. O perfil de compra do consumidor mudou

Contrário às compras por impulso, sobretudo aos eletrônicos, o perfil do cliente foi direcionado às compras de necessidade, como alimentos, higiene e limpeza. O recuo na renda familiar, aliado à alta da inflação, fez com que muitos consumidores aproveitassem a data para encher a despensa de casa. Vimos um reflexo disso até mesmo nos aplicativos de supermercado. Segundo dados da Linx, reunidos a partir de informações da vertical Mercadapp, especialista em e-commerce para supermercados, os pedidos no final de semana da Black Friday cresceram 38,5%, em relação ao mesmo período em 2020, um aumento de R$ 1,2 milhão em vendas.

2. Os novos protagonistas do varejo

Ainda que para alguns o resultado possa ter sido abaixo do esperado, não há como não destacar a importância dos meios de pagamento, com soluções como o Pix e o cashback, junto aos consumidores. Além da forte presença deles, outro aspecto que fez a diferença foram as lives, aliadas às operações de live commerce (seja via plataforma, seja via compra por telefones e QR Code’s), que trouxeram mais dinâmica às marcas, principalmente para as que têm uma presença digital bem edificada.

3. A aposta do omnichannel

Em meio ao momento que ainda vivemos, de uma incrível aceleração do mundo digital e da necessidade de um protagonismo maior da experiência para se manter relevante como opção e marca no varejo físico, as empresas que buscaram se transformar nos últimos anos conseguiram conquistar os melhores resultados. O “segredo” foi oferecer uma experiência mais híbrida entre seus canais, o tal do varejo “figital” (junção do físico com o digital), com foco em produtividade e velocidade de processos. Vimos o reflexo disso no crescimento do “pick up in store”, como já citei, mas também na modalidade em que consumidor compra online e recebe o produto a partir da loja mais próxima, o “ship from store”, que avançou 44% em relação ao ano passado. Ou seja, se o consumidor tinha dúvidas sobre qual seria o melhor canal de compras, saiu na frente o varejista que esteve presente em ambos.

Por fim, essas três lições, junto aos resultados dessa Black Friday, mostram que o setor precisa estar atento ao consumidor, para que, até o final do ano, as vendas de Natal recuperem o que não foi possível nesta Black Friday. Aliás, podemos e devemos apostar algumas fichas no final de ano sim, porém há desafios ainda maiores para as marcas que não estão se preparando para esse novo tipo de consumidor: multicanal, com bolso mais apertado e de olho em ofertas que, de fato, sejam oportunidades.

Caio Camargo é diretor comercial da Linx.
Imagem: Divulgação

Caio Camargo

Caio Camargo

Caio Camargo é diretor comercial da Linx, uma das maiores empresas de tecnologia do País. Com mais de 20 milhões de leitores e dezenas de milhares de seguidores nas principais redes sociais, é uma das principais referências do mercado quando se trata de vender mais e melhor. É autor do livro "Arroz, Feijão & Varejo", um dos mais vendidos livros sobre o varejo brasileiro desde seu lançamento.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: