Jorge Gonçalves, da Telhanorte Tumelero, é novo presidente do IDV

Instituto que reúne gigantes do varejo elegeu os representantes para o período de 2022 a 2025

Jorge Gonçalves, diretor de Expansão e Novos Negócios da Telhanorte Tumelero, é o novo presidente do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), em substituição a Marcelo Silva. O instituto acaba de eleger os representantes para o período de 2022 a 2025.

Sérgio Herz, da Livraria Cultura, e Ronaldo Pereira, da Ri Happy, são os novos vice-presidentes.

Além dos três, o Conselho Executivo do IDV conta com os seguintes nomes: Antonio Carlos Pipponzi (Raia Drogasil), Marcelo Silva, Fernando de Castro e Hugo Bethlem (conselheiros independentes), Flávio Rocha, (Riachuelo), Leninha da Palma Pedroso (Caedu), Luís Norberto Pascoal (DPaschoal), Luiza Helena Trajano (Magazine Luiza), Marcos Gouvêa (Gouvêa Ecosystem e publisher da Mercado&Consumo), Ronaldo Iabrudi (Grupo Pão de Açúcar), Sérgio Zimerman (Petz) e Stephane Engelhard (Carrefour).

Controle das transações

Em evento promovido na semana passada pelo IDV, varejistas defenderam o controle das transações para reduzir informalidade no e-commerce. Segundo os executivos, a expansão de vendas cross-border (operações comerciais que vão além das fronteiras) e a falta de uma legislação adequada para esses canais são apontadas como os principais motivos para o aumento do mercado informal.

As vendas em plataformas digitais cresceram 27% em 2021, totalizando R$ 182,7 bilhões em vendas, segundo levantamento da NielsenQ. Já o comércio cross-border alcançou R$ 36,2 bilhões, um aumento de 60% sobre 2020.

“Precisamos rastrear o dinheiro, pois, hoje, ele está na nuvem. O dinheiro físico está acabando. Sei que esse assunto é polêmico, mas é preciso criar uma espécie de tributo para rastrear esse dinheiro. Para que possamos evoluir neste processo, os pilares são a conscientização do mercado, a criação de regras de punição, como há no varejo formal, e o controle e rastreamento do dinheiro”, defendeu o vice-presidente do IDV e CEO da Livraria Cultura, Sergio Herz.

Para Cristiane Foja, presidente-executiva Abrabe (Associação Brasileira de Bebidas), para resolver o problema, deveria haver o mesmo nível de controle que existe no presencial, como o certificado de origem.

Imagem Divulgação

Redação

Redação

Leia diariamente as notícias mais impactantes sobre varejo, consumo, franquias, shopping center e foodservice, entre outros temas, no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: