fbpx

Uma das datas mais importantes para o varejo, a Black Friday é cada vez mais digital. Para se ter uma ideia, mesmo em meio à pandemia, na edição de 2020, o comércio eletrônico brasileiro faturou R$ 7,72 bilhões em 7,6 milhões de transações feitas entre os dias 26 e 30 de novembro, um crescimento de 27,7% na comparação com 2019, segundo dados da Neotrust/Compre&Confie.

Não existe uma fórmula secreta para ter um bom desempenho na Black Friday, mas, como a data é associada a descontos e preços baixos, ter uma boa precificação é importante para conversão de vendas.

“O mercado espera a Black Friday para ter preço, ter desconto, mas é preciso fazer as contas lucrarem. Se o custo de um produto é de R$ 20, você não pode fazer uma ação por R$ 15. Tem muita gente que quebra porque não consegue fazer as contas certas”, afirma Rafael Olmos, CTO e Cofundador da Omie, plataforma de gestão (ERP) na nuvem.

Para decidir o melhor preço a ser praticado em promoções, o primeiro passo é saber os custos e as despesas que envolvem a comercialização do produto ou serviço, incluindo funcionários, impostos, transporte, marketing, entre outros.

Outro ponto importante é saber o preço que a sua concorrência está praticando com antecedência, já que os clientes costumam pesquisar antes de decidir pela compra.

Por fim, é preciso decidir quais produtos vão entrar na campanha, pois nem sempre o item que vende mais dá mais lucro e isso pode “enganar” o empreendedor.

Ferramentas de gestão, como a da Omie, podem ajudar o empreendedor nesse planejamento, com informações precisas sobre os produtos que mais vendem, a média de venda no período e quais custos estão amarrados na operação, a fim de entender se vale a pena fazer a operação ou não.

“Existem muitas frentes e a [ferramenta de] gestão vai possibilitar ser assertivo nas suas compras e nas suas vendas. Às vezes, o empreendedor sabe o produto que ele mais vende, mas não é o que ele tem mais lucro”, explica Olmos.

Como exemplo, ele cita a extensão oferecida pela Omie.Store, Predify, que é um software que utiliza Inteligência Artificial para buscar todos os custos operacionais da empresa, monitora seus concorrentes online comparando o seu preço ao deles, faz projeções de vendas e simulação de resultados.

“São relatórios de lucratividade, dos produtos que mais vendem em cada estoque e de quais são os valores, tanto de vendas quanto para entender o quanto vai ficar na sua mão”, conta Olmos. “Vale ressaltar que a Omie ainda oferece soluções específicas para quem possui pontos de vendas físico, por meio do software desenvolvido pela Devi Tecnologia, empresa adquirida recentemente e que busca facilitar a rotina das PMEs”.

Outra ferramenta que pode ajudar os vendedores na Black Friday é a Inteligência Artificial Fiscal, que atualiza as regras de tributação para a emissão da nota fiscal de venda ou de revenda de produtos. “Com o aumento do volume de vendas, muitos vendedores não têm o conhecimento da legislação para emitir a nota fiscal de forma correta e automatizada”, diz.

Planejamento antecipado

Para quem fez um planejamento antecipado, as chances de sucesso são ainda maiores. Com base em dados de anos anteriores e nas projeções do mercado, o varejista negocia com os fornecedores e faz suas apostas. “Quem se prepara, fatura muito”, diz o CTO.

Outra dica para alcançar bons resultados é decidir as estratégias que vão chamar a atenção do seu cliente e divulgar as promoções. “Não basta oferecer o produto e não divulgá-lo. Por exemplo, um produto único, se não investir em publicidade, ninguém vai achá-lo”, finaliza o executivo.

Imagem: ShutterStock

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: