fbpx

Dori Alimentos, Environmental ESG, Ammo e Monte Rodovias desistem de IPO na B3

Expectativa é que uma janela para captações na Bolsa se abra nesta primeira metade de 2022

A Dori Alimentos, fabricante de doces, balas e snacks, que havia pedido em outubro suspensão de sua abertura inicial (IPO, na sigla em inglês), agora resolveu desistir da operação, que poderia girar R$ 1 bilhão. Mais três empresas seguiram caminho similar: Ammo Varejo, Environmental ESG Participações e Monte Rodovias, segundo a Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A Ammo Varejo, grupo dono da marca MMartan, tinha planos de captar ao menos R$ 700 milhões e em julho de 2021 havia pedido o registro da operação na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Mas desde meados de agosto, o mercado se fechou para novas ofertas de ações. Assim como a Dori, a Ammo faria uma oferta primária, para captar recursos, e uma secundária, com venda de ações dos sócios. A companhia é controlada pela mineira Coteminas, empresa fundada pelo ex-vice-presidente José Alencar.

Controlada pela Ambipar, companhia de gestão de resíduos, a Environmental ESG Participações também havia pedido em outubro a suspensão de seu IPO, em meio à piora generalizada do mercado local. Neste começo de ano, desistiu da operação, segundo a CVM. Seria uma das maiores ofertas do segundo semestre de 2021, com captação podendo bater em R$ 3 bilhões.

Já a Monte Rodovias, empresa da Monte Equity Partners que opera concessões no Nordeste, planejava desde meados do ano passado um IPO apenas com oferta primária, com recursos destinados a pagamento de dívidas, reforço do caixa e aquisições de outras companhias.

Na sexta-feira, a Vero, provedora de internet, comunicou a desistência do IPO. A empresa tinha planos de fazer uma oferta de R$ 1 bilhão.

Nos bancos de investimento, a expectativa é que uma janela para captações na Bolsa se abra nesta primeira metade de 2022, ao menos até junho, permitindo que algumas operações saiam. Mas a visão é que o investidor vai ficar ainda mais seletivo, por causa dos juros subindo a dois dígitos no Brasil e da crescente aposta de que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) vai começar a elevar os juros nos Estados Unidos já em março.

Desistências também nos EUA

A forte alta nos casos da covid-19 leva norte-americanos de volta ao isolamento e, em alguns casos, atrasa IPOs também nos Estados Unidos. Na New York Stock Exchange e na Nasdaq Stock Market ainda são permitidos alguns eventos presenciais. Mas em dezembro a Nyse reforçou controles, exigindo que todos estejam vacinados e enviem um teste negativo de covid-19 até 24 horas antes da visita agendada. No passado, convidados sem vacina podiam frequentar o local apenas enviando o teste negativo.

Muitas companhias e empresas também retornam para o trabalho remoto. Agora, porém, há uma preparação dos agentes para lançar IPOs nessas condições e as conversas com potenciais investidores ocorrem online.

Segundo banqueiros e outras fontes próximas às empresas, alguns planos de IPO foram adiados em janeiro por causa da variante Ômicron da covid-19, bem como por outros fatores, como a volatilidade do mercado acionário e alguns desempenhos mistos recentes nessas operações.

Com informações de Estadão Conteúdo (Altamiro Silva Junior)
Imagem: Divulgação

Redação

Redação

Leia diariamente as notícias mais impactantes sobre varejo, consumo, franquias, shopping center e foodservice, entre outros temas, no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: