Governo espera arrecadar R$ 8 bilhões ao combater sonegação de e-commerce

Segundo secretário-executivo do Ministério da Fazenda, algumas empresas fracionam compras em marketplace para escapar de impostos

A medida de tributação sobre o comércio online, anunciada há algumas semanas pelo Ministério da Fazenda, não se trata da criação de um novo imposto ou da retirada de uma isenção. A afirmação é do secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Gabriel Galípolo, que concedeu entrevista à GloboNews.

“Para quem faz compra com empresas não existia tal isenção. Para quem compra de forma regular, dentro da legalidade, não muda nada”, disse ele.

Galípolo defendeu que a proposta do governo é combater um subterfúgio que aproveita o espaço criado para remessas de até US$ 50 entre pessoas físicas. “Algumas empresas estão emulando, fracionando e subfaturando produtos para escapar de pagar impostos.”

O secretário argumentou que o sistema atual cria uma espécie de “vantagem competitiva”, que lesa o sistema econômico, o ambiente competitivo e a própria experiência do consumidor.

Estimativa de arrecadação

A estimativa do governo de arrecadar cerca de R$ 8 bilhões com tributação do comércio online, combatendo casos de sonegação, já considera a possibilidade de perda de volume de vendas, afirmou Galípolo, na entrevista à GloboNews.

Banner Curso ONE FRIEDMAN

“Na estimativa da Receita, consideramos a possibilidade de ter de um lado uma redução e de outro uma adequação a outro tipo de comércio, com outro tipo de arrecadação”, disse o secretário.

Galípolo reiterou que a medida não visa afetar o cidadão, mas empresas que estão atuando dentro da ilegalidade. “As empresas que atuam dentro da prática legal não tem com que se preocupar, algumas já estão se posicionando favoráveis à medida”, acrescentou.

O secretário também ressaltou a importância do trabalho de comunicação em torno da medida. De um lado, segundo ele, é preciso falar como essa prática ilegal afeta o consumidor, que “muitas vezes não tem confiabilidade sobre o que está recebendo, se irá ou não receber o produto e sobre a qualidade”. De outro, há a dimensão do emprego. “Uma concorrência predatória como essa afeta a geração de emprego no País.”

Com informações de Estadão Conteúdo
Imagem: Shutterstock

Redação

Redação

Leia diariamente as notícias mais impactantes sobre varejo, consumo, franquias, shopping center e foodservice, entre outros temas, no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

https://www.youtube.com/watch?v=hJe-myuv4BA

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist