fbpx

Fusão de brMalls e Ancar criaria gigante do setor; empresas admitem conversas

A possível combinação parcial de negócios da brMalls com a Ancar Ivanhoe, noticiada no último fim de semana pelo colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, criaria uma gigante no setor de shopping centers no Brasil. Juntas, as duas empresas operam mais de 50 empreendimentos. Ambas admitiram as conversas.

A brMalls, fundada em 2006, tem 31 shoppings espalhados por 12 Estados brasileiros e 23 cidades. O Villa Lobos, em São Paulo (SP), o Shopping Estação, em Curitiba (PR) e o Shopping Recife (PE) são alguns deles. A empresa está registrada no Novo Mercado da B3, a bolsa brasileira.

Em nota enviada aos colaboradores nesta segunda-feira (19), a brMalls confirmou que realizou estudos preliminares sobre a pertinência da combinação parcial dos portfólios dela e da Ancar. Argumentou, ainda, que o movimento fez parte “da estratégia a constante avaliação de oportunidades no setor”.

A Ancar Ivanhoe tem 50 anos de mercado e possui 24 shopping centers em sete Estados e no Distrito Federal, com mais de 4,5 mil lojas. Entre eles, estão o Eldorado, em São Paulo (SP), o RIOSUL, na capital fluminense, e o Iguatemi de Porto Alegre (RS).

A empresa também emitiu uma nota confirmando que a combinação é avaliada. Mas o comunicado, assinado pelos co-presidentes Marcos e Marcelo Carvalho, foi mais reticente. “Reforçamos que não há nada concreto que indique que uma fusão entre a Ancar Ivanhoe e a brMalls possa acontecer. Hoje, nossos esforços estão voltamos para o desenvolvimento de novas soluções para melhorar a experiência dos consumidores nos empreendimentos do grupo.”

Processo de consolidação no mercado 

Para Luiz Alberto Marinho, sócio-diretor da Gouvêa Malls, a eventual combinação de parte dos portfolios das duas empresas significaria a retomada do processo de consolidação no mercado e poderia provocar um efeito dominó. “Afinal, neste novo cenário, onde o modelo de negócio dos shoppings evolui rapidamente do formato de real estate para um ecossistema, englobando vendas online e offline, passam a valer muito fatores como escala e capilaridade”, avalia.

O especialista cita, ainda, outro possível efeito da operação. “Outra consequência da consolidação, que certamente acontecerá no curto ou médio prazo, será a aceleração do movimento dos shoppings independentes, que hoje representam cerca de 40% dos centros comerciais brasileiros, na direção da formação de blocos, para compartilhar custos, ampliar alcance e ganhar força. Isso pode inclusive favorecer as administradoras de shoppings de terceiros, que já vem ganhando espaço durante a pandemia.”

Imagem: Divulgação

Redação

Redação

Leia diariamente as notícias mais impactantes sobre varejo, consumo, franquias, shopping center e foodservice, entre outros temas, no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: