fbpx

É assim que os bancos retomam o funcionamento de seus negócios digitais de clientes corporativos

Durante a pandemia da Covid-19, as empresas avançaram com sua digitalização e agora também querem trabalhar digitalmente com suas instituições de crédito.

Depois de os bancos terem se concentrado por muito tempo no segmento de clientes privados em termos de digitalização, o foco está cada vez mais nos negócios com clientes corporativos. Devido ao menor número de clientes e mais necessidades individuais, até agora eles têm contado principalmente com conversas pessoais e processos analógicos, mas a mudança relacionada ao coronavírus no mundo do trabalho está aumentando a pressão para digitalizar.

As empresas que se posicionaram de forma mais digital nos últimos meses desejam que seus bancos domésticos ofereçam mais serviços online e maior integração de transações bancárias em seus fluxos de trabalho. Ao mesmo tempo, os bancos precisam de soluções digitais para atender à crescente demanda por crédito durante a pandemia para melhor se proteger contra os crescentes riscos de crédito e fraude.

Incluindo a colaboração em uma base digital

Se os bancos desejam aconselhar seus clientes por meio de canais digitais, apoiá-los com novos serviços online e processar seus pedidos ou contratos digitalmente, eles têm que digitalizar documentos em papel e processos de trabalho. Ferramentas de gerenciamento de caso e mecanismos de regras que não apenas mapeiam e automatizam fluxos de trabalho, mas também fornecem aos funcionários recomendações para ação e tomada de decisão, ajudam-lhes nisso.
Permitem que consultores, gestores de risco e outros funcionários colaborem em diferentes locais e horários, o que a Covid-19 tornou necessário e que se exige cada vez mais dos negócios internacionais.

Considerando os requisitos locais em todo o mundo

Muito poucos clientes corporativos atuam agora apenas no mercado alemão; a maioria tem clientes, fornecedores, prestadores de serviços ou outros parceiros no exterior. Como resultado, eles devem levar em consideração um grande número de diferentes requisitos legais e regulamentares. Isso não pode mais ser alcançado apenas com mão de obra. Os processos digitais facilitam a garantia automática da conformidade com as leis e diretrizes locais, porque os provedores de dados externos, como agências de crédito e registros, podem ser facilmente integrados, assim como os conjuntos de regras com os requisitos legais e regulamentares atuais fornecidos por escritórios de advocacia internacionais.

Melhorando a gestão de riscos por meio de novos dados

Os processos de verificação de conformidade, prevenção à lavagem de dinheiro, detecção de fraude e avaliação de risco geralmente só começam nos bancos quando o prazo de auditoria se aproxima. Os funcionários atualizam e avaliam manualmente centenas ou milhares de dados de clientes na data fixada, o que muitas vezes só é possível com ajuda externa devido ao enorme esforço envolvido. No entanto, esta abordagem dificilmente contribui para a prevenção de lavagem de dinheiro e para evitar riscos de crédito e conformidade, uma vez que os dados agora ficam por aí sem uso e em alguns casos não estão mais atualizados. Mudanças importantes só são perceptíveis após meses. Soluções digitais que interligam sistemas internos e incorporam fontes externas de dados, calculam riscos e identificam anomalias automaticamente reúnem os diversos processos de inspeção e os tornam contínuos. As novas fontes não apenas fornecem melhores resultados, mas também são acionadas automaticamente assim que dados importantes do cliente são alterados.

Utilizando APIs e serviços online específicos

Interfaces (APIs) são a chave para o sucesso da digitalização do banco corporativo. Elas ajudam os bancos a dissolver seus silos de dados e aplicativos e a vinculá-los aos de parceiros e clientes. Quando os bancos ainda precisam de dados de seus clientes, eles os coletam por meio de portais online seguros ou formulários de banco online, que exigem pouco esforço e digitalizam documentos em papel diretamente com funções de OCR. No entanto, as novas arquiteturas não devem ser baseadas em sistemas de backend ou canais de comunicação. A experiência mostra que é melhor focar nas micro jornadas de clientes e funcionários. Essa abordagem centrada garante que dados, lógica de negócios e fluxos de trabalho estejam disponíveis em toda a linha e que nenhum novo silo seja configurado.

Automatizando de forma inteligente utilizando IA

As pessoas mal conseguem controlar a grande quantidade de dados gerados pelo banco digital – essa é a força dos algoritmos. Eles não só assumem tarefas de automação simples, como pré-classificação de e-mails, mas também analisam todas as informações disponíveis para um processo e fornecem avaliações de risco em tempo real ou condições de oferta, entre outras coisas, e economizam tempo durante as auditorias. Originalmente, no banco corporativo, era difícil automatizar com a ajuda da IA ou criar as chamadas Próximas Melhores Ações ou Próximas Melhores Ofertas porque o número de casos era muito baixo ou os casos individuais eram muito individuais. No entanto, a demanda por crédito aumentou significativamente durante a pandemia, e as muitas novas fontes de dados e sistemas pré-treinados permitem previsões muito precisas, mesmo com números de casos menores.

Elevando a segurança cibernética a um nível mais alto

Os bancos trabalham com grandes quantidades de dados financeiros confidenciais e, portanto, são um alvo atraente para os criminosos cibernéticos. Com o avanço da digitalização, no entanto, sua superfície de ataque aumenta, entre outras coisas porque a comunicação entre funcionários e clientes ocorre digitalmente e não mais pessoalmente, e muitos sistemas precisam ser acessíveis de fora. Os cibercriminosos tentam acessar dados por meio de phishing ou explorar brechas de segurança para invadir os sistemas. Security by Default e Security by Design são requisitos importantes para todas as soluções digitais, e regras claras e treinamento para funcionários sobre o manuseio consciente de dados e aplicativos são obrigatórios.

Garantindo o sucesso do negócio a longo prazo

Com processos digitais eficientes, os bancos neutralizam os custos crescentes e as margens em queda no banco corporativo devido a requisitos de conformidade mais elevados. Eles aliviam significativamente a pressão de seus funcionários e, ao mesmo tempo, tornam a venda cruzada mais fácil para sua equipe, reduzem o risco de inadimplência nos empréstimos e fazem melhor uso de suas garantias. Além disso, interfaces e novos serviços digitais fortalecem a fidelidade do cliente e evitam que fintechs e outros especialistas em tecnologia se envolvam no relacionamento. Vendas, gerenciamento de risco e conformidade, incluindo detecção de fraude e prevenção à lavagem de dinheiro, estão se aproximando graças à digitalização e estão se aprimorando mutuamente por meio de seus dados e percepções. Por outro lado, o negócio do cliente corporativo requer uma gestão de casos muito mais individualizada que apoie os especialistas na tomada de decisões corretas e rápidas.

Lenildo Morais é gerente de projetos da Ustore
Imagem: Bigstock

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: