fbpx

Comércio de produtos de segunda mão ganha espaço na China

Aplicativos como o Idle Fish, da gigante Alibaba, simplificam a venda de itens usados

Nala Lei está ocupado arrumando seu apartamento de dois quartos em Hangzhou, uma cidade no sudeste da China, usando um aplicativo em seu telefone celular. O homem de 39 anos vendeu mais de 200 peças nos últimos 12 meses no maior mercado digital de segunda mão da China, o aplicativo Idle Fish, que pertence ao gigante do comércio eletrônico Alibaba. Ele ganhou mais de RMB 40 mil (US$ 6.174), dinheiro que irá para alguns itens que há muito cobiçava. “Eu estava passando muito tempo no meu apartamento. A certa altura, fiquei ansioso por ver a desordem e comecei a revender online” disse Lei.

Ele não está sozinho ao abraçar o comércio de segunda mão na China para levantar dinheiro extra por meio de plataformas online como a Idle Fish. A tendência foi turbinada por aplicativos que simplificam a venda de itens usados e vão ao encontro da necessidade de otimizar o espaço em casa durante a pandemia do coronavírus, ao mesmo tempo em que permite que as pessoas adotem um modo de vida mais sustentável.

Estatísticas do festival de compras do meio do ano do Alibaba (6.18) mostraram que a tendência está ganhando força em todos os grupos demográficos da China. Durante o mês do festival, o número de postagens de produtos em categorias como eletrônicos usados e de maternidade quase triplicou ano a ano. “Pelo menos 40% dos produtos ao nosso redor ficam ociosos todos os dias”, diz o gerente-geral do Idle Fish, Tang Song.

Compra de segunda mão repensada

A pandemia de coronavírus acelerou o crescimento do mercado global de revenda à medida que algumas pessoas passaram a economizar mais dinheiro, de acordo com a empresa de capital aberto americana com foco em vendas de usados ThredUp e a empresa de pesquisa GlobalData. A quantidade de usuários registrados da Idle Fish, sediada em Hangzhou, ultrapassou 30 milhões no final de 2020. Além disso, mais de 200 bilhões de itens foram vendidos na plataforma.

“[A pandemia] inspirou muitas pessoas, especialmente as gerações mais jovens com poder de compra limitado, a repensar a compra de segunda mão. À medida que buscam maneiras mais econômicas de atualizar seus estilos de vida, muitos recorrem ao Idle Fish para obter respostas”, afirma Tong.

O mercado de usados da China vai gerar mais de RMB 500 bilhões (US$ 77 bilhões) em volume bruto de mercadorias (GMV) no aplicativo até o final deste ano, segundo as estimativas do Idle Fish. São RMB 200 bilhões a mais do que no ano passado. “Esse mercado continuará a crescer à medida que os compradores chineses se tornam mais ricos e sofisticados, mais e mais pessoas estão se voltando para as compras de segunda mão como um modo de vida sustentável”, disse Mark Tanner, diretor administrativo da China Skinny, um agência de marketing e pesquisa baseada em Xangai.

Fomento da economia circular

Os aplicativos online tornaram a revenda mais simples. Em 2014, o Taobao, site líder de comércio eletrônico do Alibaba, adotou a ideia e lançou o Idle Fish para fomentar a economia circular. Os dois aplicativos estão interligados para que os clientes possam navegar em seu histórico de compras no Taobao e selecionar qualquer item para revenda com apenas um clique no Idle Fish. O processo também sugere um preço para bens usados em diferentes categorias, normalmente a 50% do custo original do produto, tornando o processo mais transparente. Conforme o Idle Fish amadureceu, ele se concentrou em duas coisas: confiança e interação, disse Tang, do Alibaba.

As maiores preocupações dos clientes sobre a compra de segunda mão eram em torno da qualidade dos itens e de que os produtos não ficassem exatamente da maneira como foram retratados online. Para resolver esses problemas, a plataforma lançou um canal dedicado com produtos de alto valor, como eletrônicos e tênis da moda, que foram inspecionados e autenticados por profissionais terceirizados.

Do outro lado, os vendedores novos podem escolher serviços gratuitos de entrega ou coleta para que seus itens sejam inspecionados e vendidos pela plataforma. Depois de grandes vendas como as do festival 6.18, o aplicativo viu um aumento na demanda por reciclagem e, ao mesmo tempo, lançou uma promoção para ajudar os usuários a revender seus produtos indesejados. A remuneração é quase instantânea e acima do valor de mercado em alguns desses casos.

O Idle Fish utiliza o sistema de pontuação de crédito do Alibaba, o Sesame Credit, para adicionar uma camada adicional de confiança ao processo. Os usuários podem optar por divulgar sua pontuação de crédito e receber um crachá digital para validar sua credibilidade. Os compradores podem filtrar suas pesquisas pelas classificações de crédito dos vendedores para aumentar ainda mais a confiança no processo.

“Obter lucros na revenda tem tudo a ver com diligência e confiança. Em um momento, eu estava enviando cinco pacotes por dia por causa das extensas listagens de produtos que criei. Também é importante fazer o trabalho extra e enviar fotos e descrições sinceras sobre o estado dos seus bens usados​​”, explicou Nala Lei.

Ele agora é um revendedor confiável com centenas de seguidores no Idle Fish. Embora a maioria de suas transações tenha envolvido roupas e utensílios domésticos, as críticas positivas e o alto volume de transações emprestaram sua credibilidade para que ele pudesse vender uma joia de ouro no valor de RMB 600 (US$ 92), o tipo de produto normalmente comercializado exclusivamente offline, dado o seu valor alto.

Mais do que compra e venda

Seja economizando, seja ganhando, o dinheiro é um grande incentivo por trás do aumento do comércio de usados na China. Mas as interações sociais e as comunidades dentro do Idle Fish estão dando aos usuários motivos para permanecer online.

O aplicativo também inclui recursos interativos, como transmissão ao vivo, comunidades e fóruns dirigidos por influenciadores, leilões online e canais dedicados para encontrar bolsas vintage raras e alta costura artesanal. Além disso, o Idle Fish também é conhecido como um “super app” porque conecta as pessoas por localização: os usuários podem encontrar serviços na mesma cidade, incluindo empregos de meio período, consertos porta a porta, estações de reciclagem e até propriedades alugadas.

Apesar de já ter esvaziado a maior parte de seu armário, Lei disse que ainda é bastante ativo no aplicativo e gosta de responder a perguntas de seus seguidores, pois sempre pode descobrir algo para vender online. “Quando um produto fica ocioso, ele não tem valor para mim. Mas, por meio do poder das comunidades e aplicativos online, é uma conquista transformar meu lixo no tesouro de outra pessoa”, diz.

Imagem: Alizila

Redação

Redação

Leia diariamente as notícias mais impactantes sobre varejo, consumo, franquias, shopping center e foodservice, entre outros temas, no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: