Chega de líderes! Queremos mentorxs

Estou na NRF 2022 e, com base no que tenho ouvido, passo a repensar fortemente o papel das universidades na vida das pessoas.

O conhecimento técnico oferecido por essas instituições parece perder espaço para um modelo baseado em facilitação, tecnologia e autodidatismo. O conhecimento é fluido e pode ser oferecido de maneira colaborativa por membros de um mesmo ecossistema do qual a pessoa faça parte.

E qual será o novo papel das universidades?

Ante ao que tenho assistido por aqui, fica claro que a universidade pode se tornar um caldeirão voltado para a formação de líderes. Na verdade, líder não é o que as pessoas e empresas precisam. As universidades precisam formar mentores.

Mentores suficientemente equilibrados, justos e humildes para aprender e ensinar, para transformar as empresas e construir o mundo que queremos.

Parece fácil e clichê. Porém, assistindo ao painel “Investindo em sua equipe: criando oportunidades para mulheres no topo”, composto por profissionais de grandes empresas, escuto a frase: “As pessoas continuam deixando as empresas por não estarem felizes com sua liderança.”

Em 2022? É sério que ainda não sabemos nos relacionar e nos comunicar?

Nesse mesmo painel, ouvi a máxima: “Aqui na nossa empresa ninguém é tratado igualmente. Todos são únicos.”

Espero que isso faça sentido para você e te provoque a dar o primeiro passo nessa direção.

Conhecer as dores e felicidades de nós, mulheres, em nossa construção profissional, tem sido outro ponto que estou recortando nesse evento. Em ampla e aberta discussão, três mulheres contam como o feedback as ajudou a voar mais alto e como também as fez passear pelas trevas.

Veja, não estamos falando de elogios, mas de como o feedback pode aumentar a competitividade, agressividade profissional ou gerar sentimento de culpa, ineficiência e incompetência, minando a capacidade da mulher de mentorar (não mais liderar) empresas de sucesso.

Por outro lado, o metaverso é o tema do momento nessa NRF e é um conteúdo que tem sido majoritariamente apresentado por mulheres em painéis, palestras e discussões.

Ou seja, temos coisas a resolver em termos de equidade, mas as mulheres ocupam lugares cada vez mais importantes quando o assunto é tecnologia e inovação.

Aumento da presença de negros em cargos de liderança e comunidade LGBTQIA+ são sempre citados nos planos, porém, em estágios ainda incipientes. Compromissos recentes que devem apresentar resultados daqui há alguns anos somente.

Qual é a conclusão?

Não há neste momento! Minha visão é a de que temos de nos conscientizar de que composição, respeito e integração são fundamentais para nossa evolução como humanidade.

Cristina Souza é CEO da Gouvêa Foodservice
Imagem: Shutterstock

Cristina Souza

Cristina Souza

Cristina Souza é sócia-fundadora e CEO da Gouvêa Foodservice, empresa da Gouvêa que apoia o setor com metodologias híbridas e ágeis.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: