Shopping centers estão vivendo seu “momento Kodak”

Em 1975, um engenheiro de 24 anos, chamado Steven Sasson, enquanto trabalhava na Kodak, criou a máquina fotográfica digital. A reação dos seus superiores, quando ele mostrou a ideia, foi mais ou menos essa: “muito legal, mas não fale sobre isso com ninguém”. Entrevistado, muito tempo depois, pelo The New York Times, Sasson disse ter escutado dos chefes que fotos impressas haviam sido o padrão nos últimos 100 anos, que não existiam queixas sobre elas e nem motivos para as pessoas preferirem ver suas imagens em uma tela.

Na época, a Kodak dominava o mercado de fotografia e seu modelo de negócio girava em torno da fabricação de câmeras, filmes, revelação e impressão em papel fotográfico. Havia ainda as redes de lojas especializadas em revelação de fotos. Na década de 80, quando Sony lançou seu primeiro modelo de câmera digital, a Kodak fez um amplo estudo com consumidores. O resultado mostrou que ela tinha ainda uns 10 anos para se preparar para a transição do impresso para o digital. As conclusões estavam certas. O problema é que a Kodak deixou o tempo passar, pouco fez, e quando quis reagir era tarde demais. Em 2012 a icônica marca, desde sempre sinônimo de fotografia, entrou em processo de falência.

O exemplo da Kodak serve de alerta e inspiração para muitas indústrias, inclusive a de shopping centers. Não apenas no Brasil, empreendedores e administradores de shoppings já entenderam que estão vivendo o “momento Kodak”. A dúvida é: quanto tempo possuem para promover a transição para um novo modelo de negócio?

Há três anos, aqui mesmo na Mercado&Consumo, nós já avisávamos que o maior risco para os shoppings seria calcular errado a velocidade da mudança. Se isso já era claro naquela época, imagina agora, depois da pandemia?

Outro dia, durante workshop com um cliente, expliquei que o mais difícil para mim, durante as aulas na autoescola, foi aprender o jogo de pedais. Coordenar o movimento da embreagem com o do acelerador, para um novato, não era tarefa simples. Mal comparando, é mais ou menos esse o desafio que enfrentam os shoppings neste momento. Precisam encontrar o ritmo ideal para promover, sem solavancos, a transição de um modelo de negócio bem-sucedido, baseado no real estate, para um novo território, ainda repleto de incertezas do ponto de vista da rentabilidade.

Seria injusto dizer que, assim como fez a Kodak nos anos 80, os shoppings brasileiros estariam vendo o tempo passar na janela. Muitos já começaram a se movimentar. Operações de serviços, entretenimento e alimentação são mais representativas no mix dos centros comerciais. Diferentes iniciativas relacionadas com a omnicanalidade estão sendo testadas. Algumas companhias têm colocado em prática planos ousados para ampliar a participação do mall como canal de mídia para grandes anunciantes. Projetos sofisticados de CRM estão saindo do papel.

Por outro lado, é preciso admitir que essas ações ainda se concentram em um punhado de redes mais estruturadas. A maioria dos shoppings brasileiros, ainda baqueada com as consequências da pandemia, procura equilibrar-se entre as necessárias medidas de recuperação de receitas e de investimento no futuro. Não é tarefa fácil.

Uma profunda transformação no negócio dos shoppings está em curso. Ainda há tempo para embarcar nessa jornada. Só não dá para postergar a decisão de planejar a velocidade da transição. Portanto, mãos à obra, porque não há dúvida: os shopping centers estão vivendo seu momento Kodak.

Luiz Alberto Marinho é sócio-diretor da Gouvêa Malls.
Imagem: Shutterstock

Luiz Alberto Marinho

Luiz Alberto Marinho

Luiz Alberto Marinho é sócio-diretor da Gouvêa Malls, consultoria de negócios ideal para apoiar a nova geração de centros comerciais.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: