Under Armour foca no e-commerce e vê taxa de conversão aumentar 35%

Marca migrou o comércio online para a plataforma VTEX, centralizando a gestão de produtos e integrando parceiros

A marca americana de artigos esportivos Under Armour, presente em mais de 100 países pelo mundo, aposta no e-commerce para crescer no Brasil. A foco da empresa no digital tem rendido bons resultados. A taxa de conversão das vendas pelo e-commerce registrou 35% de aumento em 2021, na comparação com 2020, o que contribuiu para o aumento da receita.

Uma das medidas adotadas pela empresa foi centralizar em uma plataforma a gestão de produtos, estoques, preços, promoções e a integração com parceiros sem realizar alteração na interface do sistema. “Os consumidores brasileiros possuem uma grande paixão pela marca Under Armour, fazendo com que a evolução da nossa estratégia digital seja a chave para dar acesso a nossos produtos em um país tão grande como o Brasil”, declara em nota Ewerton Ramos, diretor-executivo de E-commerce da Vulcabras, detentora da Under Armour no Brasil. “Conseguimos crescimentos expressivos em top e botton lines.”

Para seguir nesse caminho, a marca migrou o comércio online para a plataforma VTEX. Todo o processo de implementação ocorreu em um período de 90 dias, um tempo recorde de acordo com o vice-presidente sênior de Vendas, Marketing e Alianças da VTEX Brasil, Erick Buzzi, que concedeu entrevista à Mercado&Consumo.

A aproximação entre a Under Armour e a VTEX, segundo Buzzi, teve início um pouco antes da Black Friday de 2020, quando a marca decidiu que era o momento de melhorar a experiência do cliente e consolidar o e-commerce como o principal canal de vendas.

Uma das medidas tomadas foi tornar a experiência do consumidor no site da Under Armour mais amigável, o que foi possível por meio do uso de imagens melhores e do ganho de velocidade. Além disso, explica Buzzi, a integração do e-commerce e das lojas físicas permitiu a habilitação de três tipos de jornada para os consumidores.

“Uma delas foi a prateleira infinita. Se o cliente chega na loja e não encontra o produto do tamanho de que precisa, no ‘mundo normal’ ele vai embora. Com a prateleira infinita, é possível saber se há um produto similar ou de outro tamanho e mandar para o cliente na casa dele, nas próximas horas ou dias”, explica Erick Buzzi.

Outros conceitos implementados pela Under Armour a partir da tecnologia da VTEX foram o click and collect, que permite que o cliente faça a compra pela internet e retire na loja física, e o ship from store, que consiste no uso das lojas como pontos de estoque para acelerar as entregas. “Nesse momento de retomada do varejo, a empresa consegue surfar mais forte essa onda e sai na frente porque entrega uma experiência superior ao cliente”, define Buzzi.

Para Buzzi, o e-commerce deve continuar em alta no Brasil, não crescendo nos mesmos índices registrados no início da pandemia de covid-19, mas ainda assim em dígitos agressivos. O executivo cita outras tendências que devem ganhar força nos próximos meses no País, como o conversational commerce, ou a venda pelo WhatsApp, que oferece uma relação mais humanizada da marca com o cliente; e o live commerce, interessante sobretudo para o setor de moda e que funciona bem com influencers.

Imagem: Reprodução

Aiana Freitas

Aiana Freitas

Aiana Freitas é editora-chefe da plataforma Mercado&Consumo. Jornalista com experiência na cobertura de tendências de consumo, varejo, negócios, finanças pessoais e direitos do consumidor.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: