Campos Neto diz que posição da Abranet sobre rotativo foi surpresa

O tema opõe os bancos, preocupados com o risco que assumem na operação e querem um limite no parcelamento dessas compras, e as credenciadoras, que são responsáveis pela intermediação dos pagamentos

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse nesta segunda-feira, 23, que ficou surpreso com a manifestação da Abranet, a associação que representa as maquininhas independentes, após a reunião realizada na segunda-feira passada, dia 16, para buscar um consenso em torno do parcelamento sem juros das compras com cartão de crédito.

O tema opõe os bancos, preocupados com o risco que assumem na operação e querem um limite no parcelamento dessas compras, e as credenciadoras, que são responsáveis pela intermediação dos pagamentos. Após a reunião, a Abranet divulgou uma carta aberta para o corpo executivo do Banco Central – incluindo Campos Neto – refutando a proposta da autarquia de limitar o parcelamento em 12 prestações.

“Foi uma surpresa para mim porque não teve nenhuma relação com a participação que eles tiveram na reunião. Eles estavam na reunião, poderiam ter falado naquele momento”, declarou Campos Neto durante evento promovido hoje pelo Estadão, com apoio do Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), em parceria com o B3 Bora Investir, site de notícias e conteúdo educacional produzido pela Bolsa. “Fizeram isso através de uma carta, que achei que não cabia, mas este é um tema que vamos conversar melhor à frente”, acrescentou o presidente do BC.

Segundo Campos Neto, durante a reunião, a Abranet não se mostrou veemente contra e prometeu analisar a proposta. O presidente do BC frisou que para encontrar uma solução estrutural é preciso que as partes estejam dispostas a ceder um pouco. Ele afirmou ainda que as vendas parceladas sem juros tornaram-se um substituto do cheque pré-datado, mas cresceram demais, levando a uma “intoxicação do produto” que resultou em avanço da inadimplência, alta dos juros do cartão e um problema revelado semanas atrás por um emissor.

Banner Curso ONE FRIEDMAN

Ele pontuou que o mercado poderia não encontrar sozinho uma solução organizada, como um freio nas emissões de cartões por conta do aumento da inadimplência, o que levou o BC a agir. “Colocamos todos na mesa. Talvez não fazer nada não seja uma solução.”

Campos Neto salientou que, na falta de entendimento entre os participantes do mercado, o BC sempre pode propor uma solução. “Estamos tentando uma solução para equilibrar e não ter bola de neve no efeito do rotativo e para que a população possa continuar comprando pelo parcelado”, disse o presidente do BC.

Com informações Estadão Conteúdo.
Imagem: Agência Brasil (Lula Mraques)

Redação

Redação

Leia diariamente as notícias mais impactantes sobre varejo, consumo, franquias, shopping center e foodservice, entre outros temas, no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist