Espanhola Aena assume aeroporto de Congonhas com planos para novo terminal de passageiros

Segundo contrato de concessão, a Aena tem até junho de 2030 para finalizar as obras propostas, mas a meta é entregar tudo até meados de 2028

A espanhola Aena vai assumir a operação do aeroporto de Congonhas, o mais movimentado do país, em 17 de outubro, com planos de ampliar o terminal de passageiros e revitalizar o aeroporto de São Paulo. A companhia tem até junho de 2030 para finalizar as obras, conforme o contrato de concessão. No entanto, a meta é entregar até junho de 2028 as iniciativas previstas na fase I-B, que incluem a construção de um novo terminal de passageiros.

A Aena pretende praticamente duplicar a área do terminal, passando dos atuais 40 mil metros quadrados para 80 mil metros quadrados, segundo o diretor presidente da concessionária, Santiago Yus.

Essa etapa prevê também a revitalização dos pavimentos das pistas de taxiamento, a ampliação do pátio de aeronaves, a readequação das vias de acesso, a revitalização da fachada e a melhoria dos banheiros, entre outras obras.

“Não podemos esperar 60 meses. Para isso, criamos também estratégias de curto e médio prazos, com melhorias imediatas até o final de 2024″”, afirmou o executivo.

Para os outros dez aeroportos que a companhia assumirá oficialmente as operações entre outubro e novembro, a expectativa é finalizar as obras da fase I-B até junho de 2026. Com os 11 novos aeroportos, arrematados na sétima rodada de concessões, em agosto de 2022, por R$ 2,45 bilhões, a Aena chegará a 17 terminais operados sob concessão no Brasil, responsáveis por cerca de 20% do tráfego aéreo nacional.

Antes de assumir oficialmente as operações, a Aena investiu R$ 3,3 bilhões em pagamentos iniciais, incluindo indenizações. Durante a primeira fase do processo, o foco foi elaborar e aprovar planos de transferência operacional, com visitas técnicas, reuniões e treinamentos.

Até passarem a ser operados pela Aena, os 11 aeroportos vão funcionar em “operação assistida”, com participação de consultorias para o desenvolvimento de projetos de ampliação e modernização dos terminais.

Fila

O aeroporto de Uberlândia (MG) sei na frente, com a Aena assumindo a operação em 10 de outubro, seguido pelo de Campo Grande (MS), dia 13, e Congonhas, dia 17. Ao longo do mês de novembro, a companhia passa a controlar os terminais de Ponta Porã (MS), Corumbá (MS), Uberaba (MG), Montes Claros (MG), Marabá (PA), Carajá (PA), Carajá (PA), Santarém (PA) e Altamira (PA).

A empresa já opera seis aeroportos no Nordeste, arrematados na quinta rodada de concessões, realizada em 2019.

A Aena é responsável por 46 aeroportos na Espanha, seu país de origem. Ao redor do mundo, são 34 ativos desse tipo, incluindo os brasileiros.

Banner Curso ONE FRIEDMAN

Precatórios

No início de junho, a empresa espanhola conseguiu a assinatura da concessão, documento que na prática deu efetividade ao contrato, após publicação no Diário Oficial da União (DOU). Para avançar, a empresa desistiu de pagar cerca de metade da outorga, de R$ 2,45 bilhões, com precatórios – o que travava o avanço do negócio, já que o governo Lula suspendeu o recebimento desses títulos até que uma nova regra geral seja definida.

Na época, em nota, a Aena confirmou que pretendia quitar “um pouco menos” de 50% do valor da outorga com a apresentação de precatórios, mas que, “diante da perspectiva de rededefinição das regras para o uso desses recursos apenas em alguns meses”, a empresa decidiu pela quitação em dinheiro, “com o propósito de manter o cronograma planejado de investimentos no Brasil e dar andamento aos processos necessários para assumir a gestão dos aeroportos”, afirmou por meio de nota.

Após a decisão, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) emitiu a ordem de serviço, momento em que começou o processo de transição da gestão da Infraero para a Aena.

A partir da validação do contrato, segundo a empresa, a concessionária teve 40 dias para apresentar os planos de transição operacional (PTOs) dos aeroportos à Anac, que por sua vez teve mais 40 dias para avaliar a documentação.

Aviação executiva

Como revelou o Estadão/Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, a XP Infra IV, que arrematou o bloco de aviação executiva da sétima rodada de concessões, também já havia decidido no fim de maio pagar toda a outorga inicial à União em dinheiro. Inicialmente, ela também havia tentado quitar parte dessa obrigação com títulos de precatório, mas desistiu.

Já o consórcio que arrematou o bloco Norte conseguiu ter seus precatórios aprovados antes de a Advocacia-Geral da União (AGU) determinar a suspensão dos processos relativos a esses títulos.

Em maio, o então ministro de Portos e Aeroportos, Márcio França, havia afirmado que a transição dos aeroportos leiloados na sétima rodada só seria iniciada quando a União tivesse segurança do pagamento pelos consórcios que venceram o certame.

Com informações de Estadão Conteúdo (Elisa Calmon e Amanda Pupo)
Imagem: Shutterstock

Redação

Redação

Leia diariamente as notícias mais impactantes sobre varejo, consumo, franquias, shopping center e foodservice, entre outros temas, no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

https://www.youtube.com/watch?v=hJe-myuv4BA

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist