O caminho do crescimento pelo crédito ao consumo

Momentum nº 970

Discutir crescimento econômico pelo aumento do crédito ao consumo em tempos de elevado desemprego, renda real declinante, crescimento do empreendedorismo individual, tudo contaminado ainda pela inflação elevada, é um tema no mínimo delicado.

Mas temos que pensar em termos estruturais e estratégicos.

O consumo no Brasil e consequentemente a produção agrícola e industrial, os serviços, o varejo, o comércio, o emprego, a renda e a massa salarial poderiam crescer e serem maiores se o crédito às famílias, de forma consciente e estruturada, fosse maior, aproximando o país dos padrões de outras economias mais desenvolvidas.

E é importante reforçar que, apesar do elevado nível atual de endividamento, por conta da contração de emprego e renda real, o Brasil tem sistemas de controle e avaliação de riscos de concessão de crédito, tanto no sistema financeiro quanto no próprio varejo, dos mais avançados e maduros, por conta exatamente da dependência histórica do crédito às famílias para vendas no comércio, nos serviços e no varejo.

O que limita essa evolução são questões que envolvem a concentração e a tributação e, consequentemente, a oferta e o custo desse crédito.

Vamos aos fatos.

Crédito às pessoas físicas como percentual do PIB

No Brasil o crédito às pessoas físicas, com base nos dados do Banco Central, representa 22,1% do PIB (fevereiro de 2022) e sua evolução através do tempo mostra que em 2008 era de 22,5% e seu pico ocorreu em 2015 com 28,5%.

Importante notar que o período de maior evolução recente do varejo e do comércio aconteceu entre 2003 e 2015, quando ocorreu o crescimento da oferta de crédito às famílias usado na aquisição de bens e serviços e com forte expansão do crédito para compra de imóveis. Essa modalidade permitiu que despesas com locação de imóveis migrassem para pagamento dos financiamentos imobiliários, que teve forte ativação no período.

Quando comparamos os nossos patamares atuais no Brasil de crédito ao consumo como percentagem do PIB com o mesmo indicador de alguns outros países, como os Estados Unidos, França, Itália, Inglaterra e outros, mais ou menos desenvolvidos, nota-se que nosso percentual é significativamente baixo com potencial relevante de crescimento, desde que equacionadas as questões que o limitam.

Se considerarmos os dados publicados por Trading Economics consolidando informações sobre as dívidas das famílias em relação ao PIB em setembro de 2021, o Brasil aparece com um percentual de 36%; a Austrália apresenta 119%; a Coréia do Sul, 107%; Inglaterra, 88%; Estados Unidos, 78,5%; a China, 61,2%; e o Chile, 46,2%.

Dados do FMI vão mostrar a mesma realidade, ressaltando o quão baixo é o crédito tomado pelas famílias, pessoas físicas, em relação ao PIB do Brasil quando comparado com outras economias no mundo.

Concentração

O crédito às famílias no Brasil é por demais concentrado, ainda que nos últimos anos tenha caído um pouco esse nível de concentração.

Em 2018, as cinco maiores instituições financeiras – Caixa Economia Federal, Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander – detinham 80,1% de todo o crédito para pessoas físicas, percentual que caiu para 77,5% em 2020.

Exclusive CEF e BB, o percentual dos três maiores bancos privados era de 30,1% em 2018 e passou para 33,1% em 2020.

Os demais bancos comerciais e múltiplos e as cooperativas de crédito tinham 15,5% do total do crédito PF e esse número evoluiu para 17,9% em 2020.

Existe um claro interesse do Banco Central em promover a desconcentração da oferta de crédito, mas que deveria ser um processo acelerado ainda mais em benefício de todos os setores econômicos potencialmente beneficiados, em especial a indústria, o comércio, o varejo, o imobiliário e o serviços.

Tributação

O tema é de extrema complexidade, como absolutamente tudo que envolve tributação no Brasil, assunto que consome e subsidia uma estrutura gigantesca de agentes, entidades e corporações, onerando absolutamente tudo que se faz no país.

Basta tentar acompanhar as discussões eternas que envolvem uma inadiável reforma tributária com fundamental simplificação e que não consegue evoluir.

E seria simplista demais, mas é fundamental entender que uma redução do custo de crédito ao consumo, como até se fez no passado, tem um efeito econômico multiplicador com benefícios diretos no emprego, na renda, na massa salarial e, consequentemente, no consumo, no comércio, no varejo e nos serviços, realimentando a espiral de crescimento econômico auto-sustentável, desde que sustentada e baseada no rigor da análise e da concessão desse crédito para que se evitasse o crescimento da inadimplência.

Inadimplência

Tem sido noticiado com alarde o crescimento da inadimplência derivada do crédito ao consumo.

De fato, pelos dados do Banco Central, em fevereiro de 2022 o percentual de inadimplência com atraso acima de 90 dias estava em 3,33%, com crescimento em relação a fevereiro de 2021, quando foi de 2,93%.

Mas é preciso lembrar sempre que a inadimplência varia ao longo do ano segundo o calendário das vendas, promoções e períodos sazonais e vale destacar que no mesmo mês de fevereiro de 2018 a inadimplência era de 3,7%, em 2016 era de 4,3% e em 2013 era de 4,98%.

Ou seja, estamos num processo evolutivo positivo ao longo do tempo por méritos de todos os negócios envolvidos na concessão, análise e cobrança do crédito e flutuações pontuais, ainda que causadas por questões ligadas a emprego, renda e inflação, não deveriam inibir movimentos mais estruturais de mudança estratégica com respeito ao crédito ao consumo e às famílias e nem se deixar contaminar pelos indicadores de inadimplência às pessoas jurídicas.

Esse é um daqueles temas mais estruturais, fora das questões políticas polarizadas pontuais, que merecem uma ampla e profunda reflexão em especial pelos setores produtivos, ligados à economia real e que ajudariam em muito relativizar também o atual cenário de avaliação das empresas ligadas ao consumo e varejo, punidas por uma visão imediatista exclusivamente financeira.

Vale pensar!

Marcos Gouvêa de Souza é fundador e diretor-geral da Gouvêa Ecosystem e publisher da plataforma Mercado&Consumo.
Imagem: Shutterstock

Marcos Gouvêa de Souza

Marcos Gouvêa de Souza

Marcos Gouvêa de Souza é fundador e diretor-geral da Gouvêa Ecosystem, membro do IDV – Instituto para o Desenvolvimento do Varejo, do IFB – Instituto Foodservice Brasil, Presidente do LIDE Comércio e membro do Ebeltoft Group, aliança global de consultorias especializadas em varejo em mais de 25 países. Publisher da plataforma Mercado & Consumo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: