Contratação e retenção de atendentes qualificados para o comércio são pontos cada vez mais complexos no setor de varejo. Além disso, a definição do que é ser qualificado para essa função vem mudando muito ao longo do tempo.

Anteriormente bastava “atender bem”, “vender o básico”. Agora, é necessário “encantar” o cliente. O ponto é que essa habilidade não é nata para a maioria dos atendentes.

O significado e aplicação do encantar nas vendas tem relação com o que é definido estrategicamente pelas marcas sobre suas metas de encantamento e quanto a empresa suporta o processo para concretizar esse movimento, com ativações de experiências, treinamentos ou empoderamento do atendente.

O consumidor vivencia um mundo de experiências no dia a dia e isso amplifica sua exigência com relação ao atendimento. Quando mais jovens os consumidores, menos eles avaliam como essencial a relação com vendedores à moda antiga. Há uma sensação entre os mais jovens de que sabem mais que os próprios vendedores.

Em um estudo realizado pela Mosaiclab com a população brasileira, vemos esse contraponto geracional:

  • 22% dos jovens de 18 a 39 anos declaram que “muitas vezes sentem que conhecem mais sobre produtos e serviços que existem nas lojas do que muitos vendedores” versus apenas 8% entre baby boomers.
  • 24% dos jovens declaram que “é fundamental o apoio de um vendedor no momento da compra para tirar dúvidas e facilitar o processo” versus 40% entre os mais velhos, que têm maior dependência de um atendente.
  • 42% dos jovens desejam que as lojas tenham “atendentes especializados para tirar dúvidas e fazer recomendações” versus a alta demanda de 65% entre os mais velhos.

Esses dados mostram que há uma desconexão das novas gerações com os atendentes.

Vivenciamos agora uma mudança no paradigma do que é ser um bom vendedor. O papel do humano nas vendas será cada vez mais relacionado com alavancar as experiências.

Assim, fomentar habilidades relacionais será cada vez mais importante entre quem interage com o consumidor, seja pessoal, seja digitalmente. Não é apenas ser vendedor persuasivo, mas a evolução para o atendente conector, que desenvolve uma relação pessoal verdadeira, que entende com alma as demandas dos clientes porque vivencia a categoria. E, com isso, surpreende.

Diversas marcas têm percebido essas mudanças e colocado no time de atendimento pessoas engajadas com a categoria que vendem.

A Nike tem como premissas forte para conexão com consumidores experiências tecnológicas, diferentes formatos de loja, mas o membership tem um papel fundamental na estratégia da marca, promover experiencias que gerem personalização, contato com formadores de opinião, ativações comunitárias e relação com atendentes embaixadores são alavancadores de encantamento e relações mais reais, que geram relações mais duradoras.

Não é só treinar, é vivenciar. Isso faz uma diferença substancial. O vendedor passa credibilidade, fala como embaixador daquilo que vende e com isso o vínculo com o atendente e a marca são impulsionados estrategicamente, gerando vendas mais efetivas e maior recorrência.

Karen Cavalcanti é sócia-diretora da Mosaiclab, área de inteligência de mercado da Gouvêa Ecosystem.
Imagem: Envato

Karen Cavalcanti

Karen Cavalcanti

Karen Cavalcanti é sócia-diretora da Mosaiclab, área de inteligência da Gouvêa com a chancela “powered by”. É especialista em prospecção, análise e emprego estratégico de dados do mercado de consumo no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: