Construtora arremata Daslu, que deve virar grife de prédios classe A

Mitre quer se posicionar como marca de altíssimo padrão e desembolsou R$ 10 milhões no leilão

Conhecida como a marca de roupas de luxo da elite paulistana, em breve a Daslu deverá ajudar a dar personalidade a empreendimentos residenciais de alto padrão na capital paulista. Após muito mistério em torno do nome do vencedor do leilão de falência da Daslu, o novo dono da marca é um tanto inesperado: foi a construtora Mitre que desembolsou R$ 10 milhões no certame.

O presidente da Mitre, Fabricio Mitre, diz que o racional por trás da transação está na leitura de que a Daslu será complementar aos imóveis oferecidos pela companhia, que tem foco no mercado imobiliário de alto e altíssimo padrão em São Paulo.

“Estamos nos posicionando como uma marca de altíssimo padrão. Temos alguns lançamentos nos Jardins (bairro nobre da cidade) e queremos ofertar mais do que apartamentos, mas serviços e comodidades aos clientes”, diz o executivo.

A compra da marca por uma construtora foi o desfecho de um processo bastante competitivo. Foram mais de 30 lances, conforme divulgou a casa de leilão Sodré Santoro, mantendo todos os nomes em sigilo. “Foi competitivo até o último segundo; por isso, conseguiram uma avaliação tão superior”, conta Mitre. O lance inicial era de R$ 1,4 milhão.

A Mitre, contudo, não passou detalhes de sua estratégia e como utilizará a marca Daslu. O motivo é que o aval final da transação precisa ser dado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), visto que se tratou de um leilão judicial de falência.

A construtora é conhecida no mercado e fez sua abertura de capital há um pouco mais de dois anos, quando levantou cerca de R$ 1 bilhão. Desde então as suas ações derreteram, e a companhia vale hoje R$ 537 milhões, menos do que levantou em sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

“Nunca na minha carreira eu vi uma discrepância tão grande entre a precificação do mercado financeiro e o que está acontecendo no dia a dia”, afirma o executivo. Segundo ele, a empresa entregou as promessas do IPO, segue crescendo e está no “melhor momento de sua história”. “E a compra da marca Daslu reflete isso, algo que não é trivial para uma incorporadora do setor imobiliário”, comenta.

Apesar da oferta na Bolsa, a construtora ainda é controlada pela família Mitre, que possui uma participação de 50,1% da companhia. A empresa foi fundada há mais de 50 anos pelo avô de Fabrício, que assumiu o comando em 2008, época em que se iniciou a profissionalização da companhia.

Luxo à ruína

A marca Daslu representou por anos o máximo do luxo no Brasil, em um momento em que as marcas importadas só eram acessíveis para quando os consumidores endinheirados iam ao exterior. Na década de 1990, sob o comando de Eliana Tranchesi, que morreu em 2012, a varejista atraiu as consumidoras mais ricas da cidade.

A abertura da megaloja, em 2005, marcou o início da derrocada. Na época, um escândalo mostrou Tranchesi sendo presa por sonegação fiscal. Ela foi condenada a uma pena de 94 anos de prisão, mas saiu após um ano, quando recebeu um diagnóstico de câncer.

Com informações de Estadão Conteúdo

Imagem: Divulgação

Redação

Redação

Leia diariamente as notícias mais impactantes sobre varejo, consumo, franquias, shopping center e foodservice, entre outros temas, no Brasil e no mundo.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: