fbpx

Consumo no pós-pandemia: três pontos de atenção para o varejista

Temas envolvendo o consumo e o comportamento dos consumidores no pós-pandemia talvez já tenham sido saturados por conta do excesso, isso é fato. Assim como a maior parte da população, também é desejo do varejo estar cada vez mais distante das dificuldades enfrentadas durante a pandemia e se aproximar de uma rotina otimizada, com operações mais fluidas e desenvolvidas. Por isso, ainda há espaço para insistir na tecla do “futuro do consumo”.

Apesar dos riscos e fragilidades no cenário do comércio brasileiro, o avanço da vacinação e a redução dos casos de contágio durante a pandemia tornam possível uma perspectiva otimista, com construção de novos resultados e de recuperação do mercado.

A ideia de que o digital tomou dimensões gigantescas durante o período pandêmico pode já estar madura na mente da maioria dos varejistas, mas ainda existem dúvidas sobre como será o consumo e o perfil desse consumidor que está mais digitalizado e que começa a voltar às ruas para comprar.

Analisando as mais diversas teses e tendências que foram apresentadas até o momento, acredito que há três pontos simples e objetivos a que o varejista precisa prestar maior atenção. São estes os pontos que estão mudando o varejo e que podem, dentro de cada contexto e empresa, evoluir em uma série de outras necessidades e, principalmente, oportunidades de venda e fidelização de clientes.

Esteja disponível

Independentemente do meio, se há uma marca precisa existir uma maneira de vender e se apresentar para o consumidor. As vendas por e-commerce e redes sociais, por exemplo, se tornaram para muitos um terreno fértil para engajar e impactar o consumidor, com suas várias funções, integrações de catálogos e meios de pagamento. Porém, se o varejista ainda não está presente nesses meios, o que não deve deixar de existir é o famoso CTA, ou “Call to Action” (chamada para ação, em tradução livre). Se o virtual ainda não faz parte da estratégia, busque outras formas de alcançar o cliente e levá-lo para a loja física – ações de marketing com banners e outdoors ainda são divulgações importantes.

O segredo de se tornar digital não precisa se resumir a ter um site bem estruturado, mas sim em estar disponível para o cliente em potencial de várias maneiras. Investir no online é uma forma de se preparar para esse futuro de consumo e isso não pode ser ignorado a longo prazo. O foco está em não deixar de agir.

Atendimento de qualidade

Com o avanço da tecnologia nos canais digitais de venda como marketplace e e-commerce, que crescem em escala progressiva, a relação entre o consumidor e essas plataformas também está se acelerando. As experiências de compra estão se tornando cada vez mais transacionais – são poucos cliques para adquirir um produto.

Existe a clara vantagem da otimização do tempo, mas também deve-se pensar que o atendimento ao longo desse processo, por mais rápido que seja, deve ser o mais personalizado e humanizado possível. É necessário trazer o cliente para perto, fazendo com que ele se sinta exclusivo e parte daquilo que sua marca tem como missão.

De olho em toda a jornada

Apesar de já ter citado a experiência de compra, é necessário abordar ainda mais esse termo que já faz parte do vocabulário da maioria dos varejistas que pensam a evolução dos seus negócios de maneira estratégica. Pensando nos detalhes desse processo, é essencial saber que a experiência envolve diversas nuances e desafios, que podem comprometer o desempenho da loja e frustrar as expectativas e satisfação do cliente.

As marcas precisam pensar na experiência de ponta a ponta, desde a atração do cliente, direcionamento de ofertas customizadas a partir de indicadores, processo de compra em si e diversidade para os meios de pagamento, até o processo logístico. Esse último, em especial, se a loja já é omnicanal, pois pode oferecer opções como a retirada de produtos comprados online na loja física ou vice-versa. O varejista precisa analisar todos os possíveis pontos de atrito e corrigi-los da melhor maneira quando forem detectados. Quanto mais suave, com harmonia e conveniente for a jornada de compra, melhor.

Resumidamente, seja qual for o futuro que teremos pela frente, o varejo deve focar nessas três frentes: estar disponível onde seu consumidor quer encontrá-lo, oferecer atendimento diferenciado de qualidade e desenvolver uma experiência de compra alinhada às expectativas do comprador. Com isso, é certo que não existirão obstáculos para o crescimento contínuo das vendas.

Caio Camargo é diretor comercial da Linx.
Imagem: Envato/Arte/Mercado&Consumo

Caio Camargo

Caio Camargo

Caio Camargo é diretor comercial da Linx, uma das maiores empresas de tecnologia do País. Com mais de 20 milhões de leitores e dezenas de milhares de seguidores nas principais redes sociais, é uma das principais referências do mercado quando se trata de vender mais e melhor. É autor do livro "Arroz, Feijão & Varejo", um dos mais vendidos livros sobre o varejo brasileiro desde seu lançamento.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: