Metaverso: ações de grandes marcas são inspiração para o varejo atual

Desde que o Facebook mudou de nome e se tornou Meta, nunca se falou tanto sobre metaverso no mercado – desde o de jogos e tecnologia até o varejo. Embora o tema seja quente e continue sendo durante os próximos anos, ainda há um longo caminho a percorrer até que essa tecnologia faça parte do dia a dia da maioria da população.

Ainda assim, já é possível observar grandes players atuando nesse universo, criando inspirações para ações mais tangíveis para o momento. Marcas globais, como Louis Vuitton, Gucci e Nike, já deram os primeiros passos no metaverso e estão faturando com peças virtuais por meio de “NFT’s” (tokens não-fungíveis), impulsionando dois fatores cruciais para o interesse por objetos puramente virtuais: a exclusividade e a autenticidade. Para o varejo de agora (de todos os portes), a pergunta que fica é: como se apropriar desses dois fatores com o objetivo de se preparar para o futuro?

A autenticidade e a exclusividade podem ser adaptadas com o uso de outro termo, que se conecta facilmente nesse processo de adaptação para o “varejo do futuro”: personalização. Com o avanço da captação e estudo de dados, se tornou viável o desenvolvimento de sistemas que facilitem o relacionamento entre marca e negócio. Se em acordo com a LGPD, o uso de dados é essencial para gerar insights que guiem o varejista na hora de criar estratégias, afinal, somente conhecendo o público é possível direcionar ações certeiras. E-mails push com ofertas de produtos que o consumidor visualizou e não comprou, descontos no mês de aniversário do cliente, programas de pontos e fidelização – tudo isso causa uma sensação de pertencimento e exclusividade para quem compra.

Aqui no Brasil, marcas como Reserva e Aramis começaram a anunciar nas últimas semanas ações voltadas para o metaverso. Mas por que, afinal? Embora possa parecer um movimento puramente de marketing para reforçar o posicionamento de empresas atentas ao futuro ou alguma tendência de mercado, há mais oportunidades em jogo do que isso. É dar para o consumidor a possibilidade de ter a posse de um ativo digital, considerado até mesmo como uma forma de investimento (para o caso de revenda de NFT’s no futuro). Esses negócios estão proporcionando um clube de benefícios exclusivos para quem decide entrar no mundo nas NFT’s, tornando não somente o item algo desejável, como também algo que possivelmente fidelize ainda mais o consumidor à marca.

Além de cativar o cliente, há as vantagens para o próprio varejo. Imagine o caminho da cadeia de produção de um tênis – desde a obtenção da matéria-prima em um local e a fabricação em outro, até todas as pessoas envolvidas, transporte, exportação, recebimento, venda, etc. Qual seria o custo para o negócio até o produto chegar nas mãos do seu consumidor final? Em comparação com a produção ou margem em um ativo digital desse mesmo produto, o custo do material físico é maior. E, mesmo assim, em alguns casos, a NFT possui um valor até mesmo mais alto que o produto “real”. Isso acontece porque algumas empresas conseguiram criar marcas de valor em seus mercados, tornando NFT’s oportunidade de ouro e uma aposta mais do que válida.

Há menos de seis meses, pouco se falava sobre esse tema, mas é possível afirmar que, na próxima metade do ano, serão poucas as grandes marcas que não vão ter criado suas iniciativas nesse sentido. Para o pequeno e médio varejista que ainda está avançando em outras frentes de digitalização, não há motivo para pânico: o metaverso ainda está em estágios iniciais. Enquanto isso, investir em tecnologia para proporcionar uma jornada de consumo conveniente, confortável, ágil e personalizada para o cliente deve se manter no foco das estratégias. Pois, mesmo com um ambiente em que tudo acontece cada vez mais rápido, ainda há muito o que se descobrir sobre como aproveitar esse “universo online” da melhor maneira. O que não é válido é fechar os olhos para as tendências, em tempos que o consumidor está ávido por novidades a todo instante. Com esse olhar e um negócio preparado tecnologicamente, naturalmente o metaverso, quando desenvolvido e maduro, permeará todos os portes de negócios.

Caio Camargo é diretor comercial da Linx.
Imagem: Shutterstock

Caio Camargo

Caio Camargo

Caio Camargo é diretor comercial da Linx, uma das maiores empresas de tecnologia do País. Com mais de 20 milhões de leitores e dezenas de milhares de seguidores nas principais redes sociais, é uma das principais referências do mercado quando se trata de vender mais e melhor. É autor do livro "Arroz, Feijão & Varejo", um dos mais vendidos livros sobre o varejo brasileiro desde seu lançamento.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: