Varejistas defendem controle das transações para reduzir informalidade no e-commerce

Evento do IDV debateu os impactos do comércio ilegal nos canais digitais

Com o forte crescimento das vendas online, impulsionadas pela pandemia, a informalidade no varejo migrou para os canais digitais. A expansão de vendas cross-border (operações comerciais que vão além das fronteiras) e a falta de uma legislação adequada para esses canais são apontadas como os principais motivos para o aumento do mercado informal.

As vendas em plataformas digitais cresceram 27% em 2021, totalizando R$ 182,7 bilhões em vendas, segundo levantamento da NielsenQ. Já o comércio cross-border alcançou R$ 36,2 bilhões, um aumento de 60% sobre 2020.

“Precisamos rastrear o dinheiro, pois, hoje, ele está na nuvem. O dinheiro físico está acabando. Sei que esse assunto é polêmico, mas é preciso criar uma espécie de tributo para rastrear esse dinheiro. Para que possamos evoluir neste processo, os pilares são a conscientização do mercado, a criação de regras de punição, como há no varejo formal, e o controle e rastreamento do dinheiro”, defende o vice-presidente do IDV e CEO da Livraria Cultura, Sergio Herz, durante o seminário “Negócios digitais x ilegalidade: O Brasil que queremos”, realizado pelo IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo) e o Poder360, na última quinta-feira, 28.

Para Cristiane Foja, presidente-executiva Abrabe (Associação Brasileira de Bebidas), para resolver o problema, deveria haver o mesmo nível de controle que existe no presencial, como o certificado de origem.

“Da mesma forma que já temos um nível de controle e documentação no físico, isso tem que existir na nuvem também”, afirma. Além do comércio ilegal, Cristiane cita o problema da falsificação, que, no caso das bebidas alcoólicas, atinge cerca de 30%. “A questão da falsificação é muito grave, já que não estamos falando apenas de uma perda econômica. Só que a falsificação também gera risco de morte”, diz.

Simplificação tributária

A simplificação do sistema tributário, que atraia parte dos hoje informais, é outra medida defendida para reduzir a informalidade. “É muito difícil para as pequenas e médias empresas se formalizarem. Elas não têm nenhum incentivo”, critica Marcelo Silva, presidente do IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo).

Banner Curso ONE FRIEDMAN

Relator da reforma tributária na Câmara, Ramos defende a aprovação do PLP 178/2021, que cria o Estatuto Nacional de Simplificação de Obrigações Tributárias Acessórias. A ideia é unir diminuir a burocracia e agilizar o sistema de arrecadação por meio da tecnologia.

“Neste ano, eu iniciei uma cruzada, o PLP 178, que é uma minirreforma tributária que pode ser aprovada neste ano. O grande ganho é que não estamos tratando das obrigações principais. É para tratar de procedimentos, de simplificação e desburocratização”, afirma.

Para ele, a lei de desoneração da folha de pagamento deveria ser ampliada para incentivar a criação de empregos. “A ideia é chegar à desoneração ampla, em todos os setores. Hoje não se pode chegar isso porque o governo disse que precisava ter uma compensação. O imposto da folha de pagamento é burro. Quantos empresários que não ampliar sias atividades pelo custo de emprego, principalmente nos setores do comércio e serviços”, diz.

Colaborou Marcelo Audinino

Imagem: Shutterstock

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

https://www.youtube.com/watch?v=hJe-myuv4BA

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist