fbpx

Para desenhar o futuro dos shoppings, é preciso conhecer o consumidor do amanhã

Uma boa maneira de projetar o shopping do futuro é compreender comportamentos e motivações das pessoas que deverão frequentá-lo. Millennials, que dominaram a agenda das empresas de estudos sobre o consumidor nos últimos tempos, estão na ordem do dia. A Geração Z vem na cola, pedindo passagem. O amanhã, porém, pertencerá à geração seguinte, conhecida como Alpha.

Antes de discutir Alphas, é importante compartilhar algumas informações gerais sobre as gerações. Vamos nessa?

Na sua essência, os shopping centers foram criados para Baby Boomers, nascidos entre 1940 e 1959. Mas tornaram-se predominantes mesmo para a Geração X, formada por consumidores hoje na faixa de 40 a 60 anos de idade. Caracterizados pelo comportamento materialista e individualista, os X com frequência se socorrem do status das marcas para expressar suas identidades. Naturalmente, os shoppings, na perspectiva de templos de consumo, foram logo eleitos como lugar ideal por esse pessoal.

A turma seguinte, composta pela Geração Y, mais conhecida pelo apelido de Millennials, demonstrou que muitas vezes prefere usufruir a possuir. Com isso, levou varejo e shoppings a priorizarem a oferta de experiências. Hoje, a bola da vez é a idealista Geração Z, marcada pela sensibilidade a temas como meio ambiente, diversidade e inclusão, e por colocar em evidência uma ampla discussão cultural sobre consumo.

Mas, como o tempo é implacável, o futuro pertence aos Alphas. Para entender melhor esse grupo, a Wunderman Thompson pesquisou 4 mil crianças e jovens, entre 6 e 16 anos de idade, nos Estados Unidos e no Reino Unido. Algumas das conclusões desse estudo são surpreendentes.

Para começo de conversa, vale lembrar que essa garotada cresceu cercada de telas, com informação, entretenimento e conexão social à disposição a qualquer instante, na palma das mãos. Por ser algo tão natural, o papel da tecnologia e dos equipamentos eletrônicos não é supervalorizado e o intenso relacionamento com o digital não exclui a apreciação do ambiente físico.

Quer uma prova? Dentre os entrevistados, 75% apreciam a experiência de ir a uma loja de verdade. Tem mais: 19% declararam que a maior parte das suas compras no futuro será feita em uma loja física, contra 21% que acreditam que comprarão mais em telas digitais. Ou seja, o físico e o digital estão quase empatados na preferência desses jovens consumidores. Mas, atenção: o ponto de venda imaginado pelos Alphas não é igual aos de antigamente. Além de possuir muito mais tecnologia embarcada, ele deverá ter áreas onde os clientes poderão testar e brincar com os produtos.

Apesar das boas notícias, há desafios importantes para os shoppings. A geração Alpha está acostumando-se rapidamente aos produtos digitais e considera natural baixar conteúdo no Kindle ou Netflix, em vez de comprar livros ou DVDs. Além disso, possui alta propensão a usar o social commerce, em função da união poderosa entre mídias sociais e influenciadores digitais.

Aliás, influenciadores digitais merecem um capítulo à parte nessa história. Eles são o segundo grupo que mais sugestiona o consumo de Alphas. Em primeiro lugar vêm os amigos, com 28% das menções, seguidos dos influencers, com 25%, e da família, que aparece apenas em terceiro, com 21% de citações. Uma parcela dos Alphas, inclusive, gostaria que influenciadores tivessem suas próprias lojas, o que demonstra a força dessas celebridades digitais.

Porém, o mais impressionante aspecto desse estudo da Wunderman Thompson é o que revela os valores dessa geração. Quando perguntados sobre o que é mais importante na vida, 71% responderam “família”, 43%, “amigos”, e 31%, “felicidade”. Somente 15% julgam que dinheiro é o que vale mais e insignificantes 2% elegeram a fama como objetivo de vida. Diante desses números, não surpreende que 66% deles queiram dar preferência a empresas que procuram fazer o bem para as pessoas e o planeta.

As tendências são animadoras para os shopping centers. O varejo físico seguirá mantendo relevância, embora bastante orientado para interação social e experimentação de produtos, além de integrado ao digital. As redes sociais serão o canal de comunicação prioritário e os influenciadores digitais terão suas próprias lojas no shopping físico, mais ou menos como o Cidade São Paulo fez recentemente. Mas nada será mais decisivo do que virar a chave, abraçando propósito e práticas orientadas para o bem-estar coletivo.

Uma última informação extraída do estudo: quase a metade das pessoas da Geração Alpha quer dividir seu tempo entre espaços abertos e fechados. Isso significa que para essa garotada há vida fora das telas. Se essa vida acontecerá em parte nos shoppings, isso dependerá da capacidade de adaptação dos nossos centros comerciais. Mãos à obra.

Luiz Alberto Marinho é sócio-diretor da Gouvêa Malls.
Imagem: Shutterstock

Luiz Alberto Marinho

Luiz Alberto Marinho

Luiz Alberto Marinho é sócio-diretor da Gouvêa Malls, consultoria de negócios ideal para apoiar a nova geração de centros comerciais.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: