Criada em cozinha de apartamento, American Cookies deve faturar R$ 40 milhões em 2022

Empresa deve ultrapassar a marca de 65 unidades em funcionamento, entre próprias e franqueadas

Criada na cozinha de um apartamento em Brasília (DF) há uma década, a rede American Cookies deve ultrapassar a marca de 65 unidades em funcionamento, entre próprias e franqueadas, e faturar R$ 40 milhões até o fim de 2022. O valor equivale ao dobro do alcançado no ano passado.

Atualmente, a marca tem mais de 40 lojas nos Estados da Bahia, Pernambuco, Paraíba, Santa Catarina, Goiás, Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, além do DF. São lojas de shopping e de rua, quiosques e dark kitchens. Na última ABF Franchising Expo, lançou uma loja-contêiner.

A American Cookies é um projeto de Francielle Faria, uma ex-servidora pública de São Paulo, e Rafael Macedo, nascido no interior da Bahia e um “vendedor nato”, como descreve a mulher. A ideia surgiu em 2012 depois que o casal provou um cookie no estilo americano numa loja especializada da capital do País. “A gente conheceu o produto e se apaixonou. Procuramos uma receita na internet, baixamos um plano de negócio, pegamos um empréstimo de R$ 50 mil e abrimos um quiosque num shopping”, conta Francielle Faria à reportagem da Mercado&Consumo.

O projeto inicial não deu certo. “Foi um fracasso. A gente abriu a loja e ela durou seis meses. Perdemos o dinheiro e acabamos pagando para trabalhar. Tudo isso porque não estudamos o mercado direito”, admite Francielle.

Criada em cozinha de apartamento, American Cookies deve faturar R$ 40 milhões em 2022 - Foto Gabrielly Mendes
Francielle Faria, uma das fundadoras da American Cookies, na ABF Franchising Expo

 

‘Não há caminho sem erro’

O sonho, no entanto, não ficou guardado no armário por muito tempo. “Costumo dizer que não há caminho sem erro. O erro leva ao acerto. Aquele 2012 foi necessário para que nós aprendêssemos, ficássemos mais cautelosos, com os pezinhos no chão e não cometêssemos o mesmo erro, que tinha sido abrir um negócio sem ter experiência nenhuma dentro de um shopping.”

Em 2015, novamente da cozinha do casal, nascia a American Cookies. Inicialmente as vendas eram feitas entre grupos de amigos e nas redes sociais. A “virada” definitiva foi em 2018, quando a marca ganhou sua primeira dark kitchen no subsolo de uma galeria em Brasília, patrocinada por um aplicativo de entrega.

Ali, 80% das vendas eram para clientes que faziam pedidos via delivery. Isso exigiu uma estratégia adequada de precificação dos produtos, uma vez que grande parte do faturamento ia para o app. “Na época, um cookie vendido por R$ 12 era visto como muito caro. Mas a gente só precisava que as pessoas provassem o produto. Depois que provavam, elas continuavam comprando.”

Criada em cozinha de apartamento, American Cookies deve faturar R$ 40 milhões em 2022
Loja-contêiner da American Cookies tem investimento inicial de R$ 149 mil

Formatação de franquias

Em 2019, quando a American Cookies já tinha cinco lojas, teve início o processo de formatação das franquias, que têm investimento inicial de R$ 149 mil a R$ 297 mil. O modelo mais barato é o contêiner, que tem montagem mais rápida e flexibilidade geográfica, uma vez que pode ser transportado para qualquer local. A expectativa é de que ele resulte na interiorização da marca.

Um dos diferenciais da marca são as receitas com recheios diferentes daqueles encontrados nas versões americanas originais. O mais vendido é o cookie de Nutella, por exemplo. Há, ainda, versões com brigadeiro de chocolate e de leite Ninho.

Imagens: Gabrielly Mendes e Divulgação

Aiana Freitas

Aiana Freitas

Aiana Freitas é editora-chefe da plataforma Mercado&Consumo. Jornalista com experiência na cobertura de tendências de consumo, varejo, negócios, finanças pessoais e direitos do consumidor.

Relacionados Posts

Próxima Postagem

REDES SOCIAIS

NOTÍCIAS

Bem vindo de volta!

Entre na sua conta abaixo

Recupere sua senha

Digite seu nome de usuário ou endereço de e-mail para redefinir sua senha.

Add New Playlist

%d blogueiros gostam disto: